quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

EUA vão reforçar atendimento em consulados para agilizar vistos


O Departamento de Estado americano anunciou que enviará "montes" de funcionários consulares provisórios ao Brasil e voltou a prometer que apressará o processo de vistos para turistas do país em 2012, de olho no salto do fluxo e dos gastos dos visitantes brasileiros nos EUA.

Em comunicado emitido ontem, o departamento reiterou que contratará 50 novos funcionários consulares para processar vistos em 2012, dobrando o número atual, como a Folha adiantara no início deste mês.

Enquanto isso, afirma o texto, estão sendo enviados "montes de funcionários temporários aos consulados" em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife e para a Embaixada em Brasília para atender a maior demanda.

"Esses funcionários ajudarão a processar o extraordinário número de solicitações de vistos até que o quadro permanente chegue".

O Departamento de Estado alega que os primeiros resultados já são sentidos - o número de dias de espera por uma entrevista caiu para menos de 50, após ter superado 140 no meio do ano.

Teste da Folha neste mês, quando parte dos funcionários temporários já estava em atividade, confirmou um decréscimo para 69 dias em São Paulo, enquanto no Rio e em Brasília foi possível achar vagas em intervalo menor do que uma semana.

O período ainda é considerado longo. Na China, que também passa por um surto de demanda, a espera média é de dez dias.

A agilização do processo de vistos para brasileiros é alvo de dois projetos de lei no Senado americano, que tratam os turistas como fonte crucial de renda para o país em meio à crise econômica.

O número de vistos para brasileiros no ano fiscal encerrado em outubro chegou a 820 mil, um aumento de 44% sobre 2010. Nesse período, 1,2 milhão de brasileiros visitaram o país, gastando em solo americano cerca de US$ 6 bilhões - menos apenas que britânicos e japoneses, se excluídos os vizinhos de fronteira.

Em 2013, diz o governo, a meta dos EUA é emitir 1,8 milhão de vistos a brasileiros, e, em 2016, 2,8 milhões.

O Itamaraty, apoiado por uma coalizão do setor turístico, empresarial e varejista dos dois países, também negocia com os EUA a isenção da documentação para turistas brasileiros.

O processo, porém, tem sido lento, e a expectativa é que o Brasil só entre para o programa de dispensa de vistos, que hoje inclui 36 países, dentro de alguns anos.

FOLHA