DONATIONS luisinhofreitas@gmail.com

Thursday, March 31, 2011

Príncipe William está ficando careca, apontam tablóides britânicos

O príncipe William --segundo na linha de sucessão ao trono britânico-- parece ter tudo aquilo que alguém poderia desejar: realeza, uma bela noiva, boa saúde, e um futuro brilhante pela frente. No entanto, de acordo com os tablóides britânicos, ele enfrenta um problema comum a muitos homens: está ficando careca.

Segundo a mídia britânica, fotos recentes mostram que William --que se casará com Kate Middleton em 29 de abril na abadia de Westminster, em Londres-- está perdendo os cabelos rapidamente.

William, 28, costuma manter os cabelos bem curtos, o que auxilia em suas atividades como piloto de resgate da Força Aérea Real, o que ressalta a falta de cabelos.

A calvície do príncipe parece ter origem genética: tanto seu pai, Charles, quanto seu avô, o príncipe Philip, são carecas.

O médico Bessam Farjo -- cirurgião especializado em restauração de cabelos-- disse que William deve tomar cuidados agora para tentar reverter o quadro. "Considerando que ele é jovem e é imprevisível saber quanto cabelo irá perder, sua prioridade deve ser tentar estabilizar a queda. Alguns medicamentos podem certamente ajudar", afirmou.

Segundo Farjo, hoje é "socialmente aceitável" que os homens tomem cuidados para evitar a perda de cabelos.

No entanto, na opinião de algumas jovens britânicas, William não irá perder o seu charme devido à calvície.

"Ele tem o charme de príncipe e não acho que a falta de cabelos acabará com isso", disse a estudante Jennifer Engelhart, 19.

Zoe Robinson, outra estudante, também não vê problemas com a calvície: "É algo que faz parte da figura dele", opinou. ASSOCIATED PRESS Folha Online

Major Curió é solto pela Justiça do Distrito Federal

O oficial da reserva Sebastião Rodrigues de Moura, conhecido como major Curió, foi solto na madrugada de quarta-feira após ser detido por porte ilegal de arma.

Curió foi um dos líderes da repressão à guerrilha do Araguaia (1972-1975), um dos casos mais emblemáticos da ditadura militar.

O major foi preso na terça-feira durante operação de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal. Segundo a procuradora Luciana Loureiro, a operação foi uma "tentativa de localizar documentos que possam revelar o paradeiro de corpos de militantes políticos que participaram da guerrilha do Araguaia".

Ao procurar documentos, a PF encontrou armas sem o registro legal na casa de Curió e o major teve de ser detido. Ele conseguiu um habeas corpus horas depois, durante a madrugada.

O processo tramita agora na 8ª vara criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A assessoria do tribunal não soube informar o motivo da soltura. Folha Online

Rio receberá R$ 181 bi em investimentos nos próximos 3 anos

O Estado do Rio de Janeiro receberá nos próximos três anos investimentos de R$ 181 bilhões. A cifra consta do estudo "Decisão Rio 2011-2013", da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), divulgado nesta quinta-feira em Washington.

O volume de investimentos representa um aumento de 69% em relação ao triênio anterior, quando eles atingiram R$ 107 bilhões.

A Petrobras, sozinha, responde por quase 60% dos investimentos previstos, com R$ 107,9 bilhões.

Atrás dela, vem os gastos em infraestrutura (20%, ou R$ 36,3 bilhões) e da indústria de transformação (16,3%, ou R$ 29,5 bilhões).

Cerca de R$ 11,5 bilhões serão investidos na preparação da cidade do Rio para receber a Copa-2014 e os Jogos Olímpicos-2016.

Segundo a Firjan, o inédito volume de investimentos torna o Rio "o maior concentrador de investimentos em todo o mundo: mais de R$ 4 milhões por quilômetro quadrado".

Os números foram apresentados em um seminário na Câmara Americana de Comércio, em paralelo a uma viagem do governador Sérgio Cabral (PMDB) para atrair novos investimentos americanos para o Estado. Folha Online

Cantor Michael Bublé se casa na Argentina

O cantor canadense Michael Bublé, 35, se casou nesta quinta-feira com a atriz Luisana Loreley Lopilato, em Buenos Aires, na Argentina.

O casal ficou noivo em 2009, quando o cantor propôs casamento em frente à família da noiva, que é argentina.

Neste fim de semana, o casal fará uma grande festa para 300 convidados em uma mansão de Buenos Aires.

Bublé venceu um Grammy no mês passado por melhor álbum pop de canções.

No Brasil, várias músicas do cantor entraram em novelas como "Celebridade" ("You'll Never Find Another Love like Mine"), "América" ("Home"), "Kubanacan" ("Fever") e "Da Cor do Pecado" ("Crazy Little Thing Called Love"). Folha Online

Europeus fornecem o mais exato modelo da gravidade na Terra

Dados enviados por satélite à ESA (Agência Espacial Europeia), durante dois anos, possibilitaram o estudo preciso da gravidade do planeta Terra de uma forma inédita.

Os cientistas agora detêm um dos mais exatos modelo geoide (protótipo mais aproximado do nosso planeta, visto que ele não é totalmente redondo) do lugar onde vivemos.

A imagem foi divulgada nesta quarta-feira durante uma conferência em Munique (Alemanha) --para ver uma versão animada, acesse aqui.

No estudo apresentado pela ESA, com imagens fornecidas pelo satélite Goce (sigla em inglês de Explorador da Circulação Oceânica e do Campo Gravitacional), considerou-se a gravidade do geoide sem a ação de marés e de correntes oceânicas.

O modelo serve como referência para medir a movimentação dos oceanos, a mudança do nível do mar e a dinâmica do gelo, o que pode abrir precedente para entender com maior profundidade as mudanças climáticas.

Além desses dados oceanográficos, também servirá para o estudo da estrutura interna do planeta --como os processos que levam à formação de terremotos de grande magnitude e que podem provocar danos devastadores, como aconteceu com o Japão no sismo de 11 de março.

Do espaço, é praticamente impossível para os satélites observarem a dinâmica dos tremores, visto que o movimento das placas tectônicas ocorre abaixo do nível dos oceanos.

Contudo, explica a ESA em seu site, os tremores costumam deixar um "rastro" na gravidade do planeta, o que pode ajudar a entender o mecanismo de um terremoto e, quem sabe, antecipar sua ocorrência. Folha Online

Escócia quer desculpas de Neymar e CBF por acusação de racismo

A Associação Escocesa de Futebol solicitou um pedido de desculpas da CBF ou do atacante Neymar pelas declarações acusando os escoceses de racismo após o amistoso do último domingo, quando o Brasil venceu a Escócia por 2 a 0. Na partida, uma banana foi arremessada para o campo durante a partida.


"Os torcedores escoceses ficaram verdadeiramente tristes e aborrecidos com acusações sem fundamento contra eles, que ameaçaram a reputação de serem espectadores justos, bem-humorados e respeitadores", disse o presidente da Associação Escocesa de Futebol, Stewart Regan.

"Uma vez que a questão foi resolvida, e os torcedores escoceses inocentados de qualquer envolvimento, sentimos que era nosso direito agir em nome dos nossos torcedores e solicitar um pedido de desculpas do jogador envolvido ou da Confederação Brasileira de Futebol [CBF]", acrescentou.

A banana foi jogada no campo logo após o atacante Neymar entrar com a bola dominada e ser desarmado pela zaga escocesa. Após o lance, o volante Lucas retirou a fruta do local.

De acordo com o Arsenal, dono do estádio onde foi realizado o jogo, um turista alemão jogou a banana que levou Neymar a reclamar de racismo.

"Esse clima de racismo é totalmente triste. A gente sai do nosso país para jogar aqui...Prefiro nem comentar para não virar uma bola de neve", declarou Neymar em entrevista à Sportv, ao ser perguntado sobre o assunto. REUTERS Folha Online

Federer joga só 10 minutos e vai à semifinal em Miami

O suíço Roger Federer jogou apenas três games e avançou, em apenas 10 minutos, para a semifinal do Masters 1.000 de Miami, nos Estados Unidos, nesta quinta-feira.


O atual número 3 do mundo abriu 3 a 0 contra Gilles Simon (27º do mundo) no primeiro set quando o francês abandonou a partida depois de chamar atendimento médico.

Seu próximo adversário será o espanhol Rafael Nadal (nº 1) ou o tcheco Thomas Berdych (7º). Folha Online

Hackers tiram do ar página de Preta Gil na internet

O site de Preta Gil saiu do ar na tarde desta quinta-feira (31) após sofrer um ataque de hackers.

Primeiro, o grupo que se autodenomina "Command Tribulation" postou uma mensagem contrária à criminalização da homofobia.

"Site hackeado. Abaixo a lei da homofobia. Abaixo a PL 122", escreveram na página, em referência ao Projeto de Lei que tramita no Congresso Nacional.

Em seguida, a página saiu do ar. No momento, ela permanece sem as informações sobre a carreira da cantora.

Um dos principais críticos do PL 122 é o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ).

POLÊMICA

Bolsonaro e Preta Gil se envolveram em uma polêmica nesta semana após ele ter feito comentários considerados ofensivos.

No quadro "O Povo Quer Saber", do programa "CQC", da TV Bandeirantes, exibido na segunda-feira (28), Preta Gil fez uma pergunta, previamente gravada, sobre qual seria a reação dele se seu filho se apaixonasse por uma negra.

O parlamentar, que tem um extenso histórico de polêmicas relacionado a direitos civis e humanos, respondeu: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem educados. E não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu".

Bolsonaro alegou não ter tido a intenção de fazer nenhuma declaração racista. Disse que, na realidade, pensou que a pergunta se referisse a um relacionamento gay. "Essa se encaixa na resposta que eu dei. Para mim, ser gay é promíscuo, sim".

Na noite da última terça-feira (29), deputados protocolaram uma representação para que o deputado seja investigado pela Corregedoria da Câmara por quebra de decoro parlamentar, por causa dos comentários supostamente racistas.

A representação também será encaminhada ao Ministério Público e à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Baidu fechará loja de comércio eletrônico na China

A Baidu, maior operadora chinesa de serviços de buscas na Internet, irá fechar sua loja de comércio eletrônico, o Youa, e migrar seus usuários para outras plataformas, afirmou a empresa nesta quinta-feira.

O encerramento das atividades do site acontecerá em maio, e os vendedores do Youa serão transferidos para os sites Rakuten China e Yaodian100, afirmou a Baidu em comunicado.

"Isso não deve ser visto como se a Baidu estivesse se retirando do cenário do comércio eletrônico. Na verdade, estamos pesquisando e desenvolvendo um novo produto de comércio eletrônico que atenderá melhor aos usuários", afirmou um porta-voz da Baidu.

O fechamento do Youa, que a Baidu havia criado para rivalizar com o site da concorrente Alibaba, o Taobao, consolida a posição do Taobao como a maior loja de comércio eletrônico da China. REUTERS Folha Online

Blackrock compra participação de 7,10% no Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco anunciou nesta quinta-feira que a gestora de recursos BlackRock adquiriu ações preferenciais classe A do banco.

De acordo com comunicado ao mercado, em 19 de agosto de 2010, as participações da companhia no Itaú alcançaram 67.262.062 ações preferenciais classe A e 92.073.675 ADRs (American Depositary Receipts), equivalentes a ações preferenciais classe A, chegando a uma participação de cerca de 7,10% das ações desse tipo emitidas pelo banco.

A BlackRock afirmou que o objetivo da aquisição "é estritamente de investimento, não objetivando alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa do Itaú Unibanco".

Além disso, a gestora disse que não foram celebrados por ela quaisquer contratos ou acordos que regulem o exercício de direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários emitidos pelo Itaú Unibanco. Folha Online

USP aprova bônus maior para alunos de escolas públicas

A USP aprovou na tarde desta quinta-feira o aumento do bônus de 12% para 15% no seu vestibular para alunos de escolas públicas. A bonificação terá como base o desempenho do estudante na primeira fase da Fuvest.


As outras mudanças no vestibular que estavam na pauta da reunião hoje --como o número de aprovados para a segunda fase e a composição da nota de corte-- serão discutidas em novo encontro que ainda será marcado.

A instituição busca aumentar a presença de alunos do sistema oficial em seus cursos --eles são 85% das matrículas no ensino médio, mas só cerca de 25% dos aprovados no exame.

Até este ano, quem se formou no ensino fundamental e seguiu na rede no médio ganhava 3% de bônus "automático", mais bonificações dependendo da nota em prova específica a alunos do terceiro ano público (Pasusp) e na primeira fase da Fuvest.

Segundo a Folha apurou, a ideia é que, no 2º ano, esse aluno preste como treineiro (sem direito à matrícula) e ganhe até 5% de bônus para o ano seguinte, quando poderá receber até 10% mais (se acertar ao menos 60 das 90 questões da 1ª fase). Os ganhos serão proporcionais aos acertos na prova.

Com a medida, o grupo que desenhou o novo modelo espera que alunos de escolas públicas tenham contato mais cedo com a USP e se inscrevam mais na Fuvest. Até agora, mesmo com as medidas de incentivo lançadas em 2006, o número de inscritos da rede pública no vestibular teve até queda.

Segundo a simulação, o bônus médio seguirá entre 6% e 7%, o que garantiria alunos aptos a acompanhar a graduação. Folha Online

Corpo de Alencar é cremado; 4.000 passam por velório em Belo Horizonte

O velório do vice-presidente José Alencar foi visitado por mais de 4.000 pessoas nesta quinta-feira no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, segundo dados da Polícia Militar de Minas Gerais.

Depois, o corpo do político foi cremado no Cemitério Parque Renascer, em Contagem (MG). No local, houve uma salva de 21 tiros de artilharia em homenagem a Alencar. Ele morreu na terça-feira, aos 79 anos, vítima de câncer.

No velório no Palácio do Planalto, em Brasília, o público foi de 8.100 pessoas, de acordo com o último balanço da Presidência da República.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que Alencar foi muito mais que um vice-presidente da República.

"Ele foi muito mais que um vice, era mais forte que eu", disse Lula durante o velório de Alencar no Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro.

Além de Lula, estiveram presentes no velório em Minas a presidente Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o senador tucano Aécio Neves, e o ex-presidente Itamar Franco (PPS), entre outros.

Antes de chegar ao palácio, o corpo percorreu as avenidas Antonio Carlos, Afonso Pena e João Pinheiro, em Belo Horizonte, por cerca de 15 km e a cidade parou para acompanhar o cortejo. Na prefeitura, as bandeiras estão hasteadas a meio mastro em sinal de luto.

Na Base Aérea de Minas, o corpo de Alencar recebeu honras militares e foi conduzido até o palácio em uma viatura histórica, modelo de 1959, utilizada em eventos especiais, como o velório do ex-presidente Tancredo Neves, em 1985.

No Palácio da Liberdade, ele foi recepcionado com honras militares.

Ontem, Lula e Dilma chegaram em Brasília juntos, a bordo do avião presidencial. A presidente tinha ido a Portugal acompanhar a entrega a Lula do título de doutor honoris causa pela Universidade de Coimbra.

Ao chegar, Lula deu um forte abraço em Josué Gomes, filho de Alencar, e beijou a testa do vice.

Dilma, toda de preto, em sinal de luto, conversou durante alguns minutos com Mariza, viúva do vice, que demonstrava cansaço e abatimento por ter passado a maior parte do tempo ao lado do marido.

"Nós todos sentimos muito", disse Dilma. Folha Online

París se renueva

Desde 1977, y como consecuencia de la gigantesca Torre Montparnasse construida en pleno París, el plan de urbanismo de la capital francesa limita la altura de las construcciones a 37 metros. La legislación ha permitido a la ciudad mantener sus vistas de postal y su línea dominada casi exclusivamente por la emblemática Torre Eiffel. Sin embargo, el Ayuntamiento está dispuesto a hacer una excepción a las puertas mismas de la ciudad para paliar la necesidad de oficinas. Ayer dio luz verde al proyecto de Torre Triangle, una pirámide acristalada de 180 metros de altura de los suizos Jacques Herzog y Pierre de Meuron. Pero la ciudad no solo se renueva lejos del centro. En pleno corazón de París, a orillas del Sena, acogerá otro faraónico proyecto arquitectónico: el de una iglesia ortodoxa ultramoderna, liderado por el arquitecto hispano-ruso Manuel Núñez Yanowsky.


La pirámide multidimensional, ideada por los arquitectos Premio Pritzker 2001 de tal forma que le quite la menor cantidad de luz a los edificios vecinos, fue oficialmente anunciada hace tres años por el alcalde socialista, Bertrand Delanoë. El proyecto se ha retrasado -las obras debían iniciarse el año pasado-, pero finalmente dio ayer un paso importante. Pese a la oposición de los verdes, el consejo de la ciudad de París aprobó el protocolo, de acuerdo con la empresa Viparis, filial de Unibail y de la Cámara de Comercio de París. La gigantesca obra empezará finalmente el año que viene y debería estar lista en 2015-2016. La constructora evalúa su coste en torno a los 500 millones de euros sin tasas.
El edificio, que si situará en el extremo sur de la ciudad, en pleno parque de las exposiciones, estará compuesto por 88.000 metros cuadrados de oficinas y 1.500 de comercios en la planta baja. El Ayuntamiento considera el proyecto "emblemático para la proyección y el dinamismo de la ciudad de París" y partícipe en la creación unos 5.000 empleos. En total, prevé la construcción de una seis torres en los próximos años, todas ellas en el límite con la periferia.
Un centro espiritual ruso
El año que viene también se iniciarán las obras de otro proyecto que promete colarse en las fotografías panorámicas de la Torre Eiffel. Se trata de un centro espiritual ruso, que incluirá una iglesia ortodoxa y se alzará a poca distancia del monumento parisiense. El proyecto, financiado por el Estado ruso, se situará en el lugar de la antigua sede del instituto francés de meteorología, adquirido anteriormente por Moscú.
El español Manuel Núñez Yanowsky, antiguo colaborador de Ricardo Bofill que trabajará con el gabinete francés Sade y la rusa Arch Group, ha imaginado para integrar el centro una iglesia ortodoxa de tipo clásico, a la que se superpondrán cinco gigantescas cúpulas doradas. La más alta alcanzará los 27 metros de altura. El centro incluirá salas de enseñanza, espacios abiertos al público, alojamiento para los religiosos y un gran jardín de 3.400 metros cuadrados. Un inmenso techo de cristal ondeado cubrirá la mayor parte del centro y se transformará en su tramo final en una fachada fotovoltaica. El coste del proyecto estimado es de 34,5 millones de euros. El País

Fuerzas francesas, desplegadas en la capital de Costa Marfil

ABIYÁN (Reuters) - Fuerzas francesas han sido desplegadas en algunas áreas de la principal ciudad de Costa de Marfil, Abiyán, dijeron el jueves tres fuentes.
Una de las fuentes dijo que los soldados de la poderosa fuerza francesa Licorne de 1.000 efectivos en Costa de Marfil habían sido desplegados en la Zona 4, en el sur de la ciudad.
Una fuente militar occidental dijo que enviaron a otros a rescatar a ciudadanos franceses que habían sido atacados en el vecindario de Deux Plateaux por jóvenes seguidores de Laurent Gbagbo, el presidente titular del país que se ha negado a dejar el cargo desde una disputada elección en noviembre.
Las fuerzas armadas de Francia declinaron hacer comentarios de inmediato. REUTERS ESPAÑA

Al-Qaeda responde a CNN

Nota del editor: Peter Bergen es el director de estudios de seguridad nacional en la New America Foundation en Washington, asociado del Centro de Leyes y Seguridad de la Universidad de Nueva York; y Analista de Seguridad Nacional de CNN. También es autor del libro “The Longest War: The Enduring Conflict between America and Al-Qaeda".

(CNN) — A finales de febrero publiqué una nota en CNN.com titulada “al-Qaeda el perdedor de las revoluciones árabes” dando a entender queOsama bin Laden estaba viendo los eventos en Medio Oriente desarrollarse con una mezcla de alegría y desesperanza.

Alegría porque al derrocar las dictaduras y monarquías de Medio Oriente ha sido su meta principal desde hace tiempo. Desesperanza porqueninguna de las revoluciones tiene que ver con él.

Adicionalmente señalé que cual fuera el resultado de estas revueltas no serán de la satisfacción de al-Qaeda, porque casi nadie en las calles del Cairo en Egipto, Benghazi en Libia, o Sanaa en Yemen, clama por la imposición de una teocracia estilo talibán, que es el estado deseado de al-Qaeda en Medio Oriente.

En vez de eso, los manifestantes quieren gobiernos responsables que no abusen de su población, elecciones y estado de derecho —básicamente como casi todos—, excepto miembros de al-Qaeda que estima al talibán lo más cercano a un gobierno ideal que ha existido en la era moderna y reconocido por el líder talibán, Mullah Omar, como “El Comandante de los Fieles”.

La afirmación de que al-Qaeda es un actor marginal en los eventos actuales en Medio Oriente ha provocado una respuesta furiosa del clérigo yemenita americano, Anwar al-Awlaki, quien juega un rol importante en “Al Qaeda en la península árabe”.

Al-Awlaki supuestamente tenía un rol operacional en un intento fallido de su grupo para explotar el Vuelo 253 de Northwest en Detroit el día de Navidad 2009; también acusado de incitar al comandante estadounidenses Nidal Hassan de matar a sus compañeros militares en el Fuerte Hood, Texas, el mismo año.

En la quinta edición de la revista Inspire, una publicación en Internet, con muchas fotografías y gráficas, inusual en un órgano de la yihad, escrito en inglés coloquial, Awlaki 'le pegó' de vuelta a CNN este martes.

En un ensayo titulado El Tsunami del Cambio, Awlaki señala de forma esperada que los regímenes basados en miedo están terminando en el mundo árabe por las revoluciones y protestas de Egipto a Bahrein. Pero asevera que, contrario a comentaristas como Fareed Zakaria, de CNN, quien dijo “las revueltas árabes de 2011 representan un total repudio a los fundamentos ideológicos de al-Qaeda”, pero el mundo debería “saber muy bien que es lo opuesto”.

Awlaki entonces voltea a ese autor, escribiendo, “para el llamado ‘experto en terrorismo’ como Peter Bergen, es interesante ver como ni siquiera él acierta esta vez. Para que él piense que a causa de un régimen tipo talibán no vaya a asumir el poder seguido de las revoluciones, es una visión a muy corto plazo de los eventos actuales”. En otras palabras: sólo espérate. Las teocracias tipo talibanes irán a Medio Oriente como las revoluciones que se desarrollan ahí.

Awlaki también escribió que estoy muy equivocado al decir que al-Qaeda ve las revoluciones en Medio Oriente con “desesperanza”. En lugar de eso dice “los muyahidines (guerreros sagrados) alrededor del mundo están pasando un momento de júbilo y me preguntó si el oeste está consciente del brote en la actividad muyahidín en Egipto, Túnez, Libia, Yemen, Arabia, Argelia y Marruecos”.

Hace casi una década Bin Laden le escribió a Mullah Omar que 90 por ciento de su batalla era conducida en los medios de comunicación. Al-Qaeda parece seguir esa idea dada la sensibilidad de Awlaki a la explicación de CNN del rol minúsculo de al Qaeda en larevuelta árabe.

Por supuesto, el punto de las revoluciones es que son inherentemente impredecibles incluso para las personas que las lideran, así que podría pasar cualquier cosa en Libia y Yemen, y mucho es impredecible en Egipto y hasta en Arabia Saudita. No soy un hombre de apuestas, pero si lo fuera diría que son pocas las probabilidades de al-Qaeda y sus grupos aliados tengan un rol importante en el futuro de estos países. Señor Awlaki: ¿Le entra a la apuesta? CNN México

El diputado 'antitodo' brasileño: '¿Alguien va a enorgullecerse de tener un hijo gay?'

Jair Bolsonaro, el diputado brasileño que ha puesto patas arriba el Congreso y la Red con sus declaraciones homofóbicas y racistas en el programa 'CQC', está dispuesto a todo menos dar su brazo a torcer. Tras defender en televisión que no corre "riesgo" de que sus hijos sean gays "porque han tenido una buena educación", el político y militar de 56 años insinuó este miércoles que nadie puede recibir con satisfacción a un bebé homosexual. "¿Alguna de vosotras quizá está embarazada y va a tener orgullo si su hijo sale gay?", preguntó a las periodistas durante el velatorio del ex vicepresidente José Alencar en Brasilia.
Preguntado por las opiniones que vertió la noche del lunes en 'CQC' y las reacciones que ha provocado desde entonces, Bolsonaro arremetió de nuevo contra los homosexuales. "Me la suda el movimiento gay. ¿Qué tienen que ofrecer? ¿Bodas gays? ¿Adopción de hijos por gays? Nada de eso aporta nada", se quejó.

'Sin cobardía'

El legislador, el único entre sus colegas que aún defiende la dictadura militar (1964-85), se refirió también a la posibilidad de ser destituido o perder su plaza en la Comisión de Derechos Humanos y Minorías de la Cámara de los Diputados. "El soldado que va a la guerra y tiene miedo de morir es un cobarde. Estoy aquí para exponer mis ideas", advirtió.
"Quien manda en mi asiento es el líder de mi partido [el Partido Progresista, de centro-derecha]. Es él quien decide", señaló Bolsonaro. "Estoy ahí para que no tengamos una comisión dirigida sólo a la demagogia y a defender intereses de quien está al margen de la ley, como los presidiarios. Nunca vi que defendieran los derechos de familias de víctimas de asesinos", protestó.

Investigación

Desde la emisión de 'CQC', más de una veintena de diputados han trasladado a la Mesa Directora de la Cámara una petición para que Bolsonaro se someta a una investigación por sus comentarios, además de ser relevado por otro miembro de su partido en la Comisión de Derechos Humanos y Minorías.
Por su parte, la Orden de los Abogados de Brasil (OAB) solicitó este miércoles la apertura de un proceso contra el político por "ruptura del decoro parlamentario". El Mundo

RIA Novosti lanza el proyecto Navegador Social

Un consejo de veinte expertos rusos y extranjeros se dedicará a elaborar la metodología de valoración de centros docentes superiores, escuelas secundarias y jardines de infancia en el marco del proyecto Navegador Social que lanza de RIA Novosti, informó hoy en rueda de prensa la jefa del grupo Rankings Sociales, Irina Yásina.
RIA Novosti empezó a publicar a partir de julio de 2010 los primeros rankings de centros docentes superiores elaborados en cooperación con la Escuela Superior de Economía.
La jefa adjunta del grupo Ranking Sociales, Natalia Tiúrina, señaló, en particular, que RIA Novosti presentará a finales de abril próximo el ranking de los centros vacacionales y programas para niños que ofrece Moscú en 2011.
A finales de mayo, la agencia planea publicar unos rankings de instituciones moscovitas de educación preescolar. Más tarde, los consumidores de los servicios en materia de educación podrán ver en el portal de RIA Novosti la valoración de las escuelas secundarias más prestigiosas de Moscú; el ranking “Eficacia de la política para juventudes en centros poblados participantes del movimiento Ciudades para la Niñez” (UNICEF); la valoración de la accesibilidad de los centros docentes para los discapacitados y el ranking de transparencia de los centros docentes superiores del Estado.
Al lanzar el proyecto Navegador Social, RIA Novosti se propone el objetivo de informar mejor a los consumidores sobre las entidades de la esfera social y sobre la accesibilidad de los servicios que ofrecen, dijo Yásina. RIA Novosti

Cartas perdidas de Chopin são doadas a museu na Polônia

Uma coleção recém doada ao Museu Chopin, em Varsóvia, promete revelar para o público um pouco mais da vida pessoal do grande compositor polonês Frédéric Chopin. Trata-se de seis cartas dadas como desaparecidas desde a Segunda Guerra Mundial. Elas foram escritas em Paris, entre 1845 e 1848, um ano antes da morte do compositor, e endereçadas a familiares que ficaram na Polônia.
As novas peças são consideradas pela curadora do museu, Alicja Knast, como a mais emocionante descoberta no campo da música na Polônia em décadas, de valor inestimável. Agora, elas farão parte do acervo interativo multimídia do museu, que consiste numa narrativa sobre a vida do compositor, baseada em suas cartas e com arquivos de áudio.
"O museu pretende atrair a atenção do público para Chopin, construindo uma ponte entre o passado e o presente. Queremos fazer o visitante esquecer que está 200 anos à frente do tempo em que o compositor viveu", disse Alicja. O museu abriu suas portas no ano passado. As cartas estarão em exposição até o próximo dia 25 de abril.
Chopin estava em Viena quando estourou o Levante de Novembro, conflito entre a Polônia e a Rússia que começou no final de 1830. Ele então se mudou para a Paris e nunca mais voltou à sua terra natal. Exilado, o compositor passou grande parte do seu tempo escrevendo cartas para a família.
Música nostálgica
A musicista Monika Strugla, do Instituto Nacional Fréderic Chopin, em Varsóvia, observa que as correspondências pessoais deixam claro que a saudade de casa não foi expressa apenas na música do compositor, reconhecido em todo o mundo, mas também nas suas cartas. "Ele era muito nostálgico e triste, mas também muito patriota", diz Strugala.
"Chopin sentiu saudades de seu país, o qual ele deixou sem saber que jamais voltaria", afirma Mônica, ressaltando que o compositor incorporou memórias de sua infância em sua música.
A coleção inclui ainda cartas da irmã de Chopin a um amigo na Inglaterra, contando sobre os últimos e trágicos anos do compositor, em que ele lutou contra a tuberculose, no auge de seu poder criativo. Chopin morreu em 1849, em Paris.
As cartas desapareceram durante a ocupação nazista da Polônia. Em 2003 surgiram informações de que elas ainda existiam. Em 2009, começaram os esforços para recuperá-las. O museu foi auxiliado pelo comerciante de arte polonês Marek Keller, que as comprou e doou ao museu.
Chopin na mídia
Há poucas semanas, Chopin foi tema na mídia polonesa por razões menos poéticas. Uma foto recém descoberta e amplamente divulgada como sendo do compositor em seu leito de morte revelou ser uma fraude.
Uma outra notícia deu conta de que uma campanha promocional do compositor, apoiada pelo Ministério do Exterior da Polônia, se revelou indequada: uma revista em quadrinhos sobre o músico dirigida ao público jovem alemão continha várias palavras de baixo calão e até termos racistas.
Os autores tentaram defender a revista, dizendo que a intenção era modernizar Chopin. Um crítico brincou, no entanto, dizendo que por conta disso o compositor deveria estar "se revirando no túmulo". A publicação foi descartada.
Autor: Rafal Kiepuszewski (msa) 
Revisão: Alexandre Schossler | Deutsche Welle

Ministra argentina diz que caso "Clarín" é "show" da oposição

A ministra da Segurança da Argentina, Nilda Garré, recusou-se a ir ao Congresso para explicar a atitude do governo diante do bloqueio do diário "Clarín", alegou que não participaria de "show armado" e acusou a oposição de ajudar no que classificou de "vitimização" do jornal.

No domingo, manifestação de um grupo de sindicalistas ligados ao governo Cristina Kirchner na frente da gráfica do "Clarín" impediu a circulação do jornal --o principal da Argentina, com 300 mil exemplares por dia-- e do diário esportivo "Olé", que é editado pelo mesmo grupo.

O protesto também atingiu o segundo jornal argentino, "La Nación", mas a sua distribuição não foi suspensa.

Desde 2008, o governo Kirchner briga abertamente contra os dois principais jornais do país, críticos da atual administração, incentivando ou adotando medidas com o objetivo de sufocá-los.

De acordo com o "Clarín", o governo descumpre uma sentença judicial de janeiro que o obriga a garantir a circulação dos veículos impressos. Caberia à Polícia Federal, que é subordinada a Garré, evitar o bloqueio da gráfica, o que não aconteceu.

Em entrevista a uma rádio, a ministra disse por que não foi ao Congresso: "É um show que armaram, no qual deputados renunciam aos temas nacionais para seguir em um tema que não passa de um conflito sindical que se arrasta há anos".

Garré declarou ainda que o governo cumpriu "minuciosamente" a ordem judicial, sem dar detalhes. "Um grupo de deputados se transformou em elemento funcional à estratégia de vitimização do 'Clarín'. Não [podemos] transformar o ato em ataque à liberdade de imprensa".

SÉRIE DE PROTESTOS

Desde dezembro, ocorreram cinco manifestações na porta das gráficas dos diários. A da madrugada de domingo, no entanto, foi a primeira que impediu a circulação de um jornal. Os sindicalistas alegam que pediam somente a reincorporação de funcionários demitidos.

Segundo acusação do "Clarín", no grupo havia integrantes do sindicato dos caminhoneiros, controlado por Hugo Moyano, aliado de Cristina e secretário-geral da CGT (Confederação Geral do Trabalho), a maior central sindical da Argentina. Ele nega ingerência no episódio.

A Sociedade Interamericana de Imprensa, que considerou o caso um "grave atentado à liberdade de expressão", vai enviar representantes ao país, no início de maio, para analisar os conflitos entre imprensa e governo.

Uma comissão da entidade pretende discutir o assunto com Cristina Kirchner. Folha Online

Exército abole comemoração do golpe de 64, mas clubes militares prestam homenagem à data

RIO - O aniversário do golpe Militar de 31 de março de 1964, pela primeira vez, desde 1965, não fez parte do calendário de comemorações do Exército. Os clubes militares, no entanto, saudaram os 47 anos da tomada do poder em um comunicado conjunto, informando que as "Forças Armadas Brasileiras insurgiram-se contra um estado de coisas patrocinado e incentivado pelo governo, no qual se identificava o inequívoco propósito de estabelecer no país um regime ditatorial comunista".

Assinaram o documento o presidente do Clube Militar, general Tibau da Costa, o presidente do Clube Naval, almirante Veiga Cabral, e o presidente do Clube de Aeronáutica, tenente brigadeiro Carlos de Almeida Baptista.

Até novembro de 2010, a comemoração ainda constava do portal do Exército na internet. Mas as Forças Armadas decidiram aboli-la. 

Os clubes militares, porém, não seguiram na mesma direção e homenagearam, nesta quinta, os oficiais que realizaram o golpe.

Para o historiador da Universidade Federal de São Carlos, Marco Antonio Villa, o fim da comemoração por parte do Exército é saudável, pois reforça o compromisso das Forças Armadas com a democracia.

- É importante acabar (com a comemoração) porque comemorar qualquer data que represente um golpe não é saudável. Todas essas comemorações eram e ainda são feitas com uma liguagem anticomunista, própria de um mundo que viveu a Guerra Fria. Hoje, temos que comemorar outras datas. Depois da Constituição de 1988, do regime democrático, não faz sentido. E demorou para essa mudança acontecer, o que nos diz muito sobre como andam as coisas no Brasil, muito lentamente - disse ele.

Referindo-se à "baderna"do governo de João Goulart, o documento dos oficiais da reserva dos clubes militares prestam homenagem aos oficiais que combateram o comunismo.

"Os clubes militares, parte integrante da reação demandada pelo povo brasileiro em 1964, homenageiam, nesta data, os integrantes das Forças Armadas da época que, com sua pronta ação, impediram a tomada do poder e sua entrega a um regime ditatorial indesejado pela Nação Brasileira", diz o comunicado. O Globo

Após escândalo, Dior não tem pressa de substituir John Galliano

A casa de moda francesa Christian Dior não está com pressa de substituir o estilista John Galliano, que caiu em descrédito, porque confia em suas equipes existentes para criar novas coleções, disse seu presidente na quinta-feira.

Uma das maiores marcas do grupo de artigos de luxo LVMH, a Dior demitiu Galliano no início do mês depois da divulgação de um vídeo em que ele grita insultos em um bar parisiense e afirma que ama Hitler.

O presidente-executivo da Dior, Sidney Toledano, disse que a empresa estuda nomes possíveis para tomar o lugar de Galliano e que o desenvolvimento criativo da marca não foi interrompido.

Esta semana a revista de moda Elle informou que é possível que a Dior não anuncie o substituto de Galliano antes do outono europeu deste ano.

"O anúncio pode ser feito a qualquer momento, depois do outono ou antes", disse Toledano à Reuters após a reunião anual de acionistas da LVMH, em Paris.

"Isso requer um período de estudo de vários projetos. Como nossas equipes internas estão trabalhando perfeitamente bem, temos tempo".

Toledano disse que as equipes da grife estão trabalhando sobre uma nova coleção e que haverá um desfile de alta-costura da Dior no início de julho, conforme o previsto.

Mas não está claro o que acontecerá com a grife John Galliano, 92% de cujas ações pertencem à Dior. Toledano disse que caberá à Dior decidir seu futuro, mas não deu mais detalhes.

Críticos de moda disseram que Galliano, conhecido por suas criações dramáticas e teatrais, tinha perdido a sintonia com os estilos minimalistas, sóbrios e conservadores que ganharam preferência desde a crise financeira.

Entre os nomes possíveis cogitados para tomar o lugar de Galliano estão Peter Copping, da Nina Ricci, e, dentro do grupo LVMH, Riccardo Tischi, da Givenchy, e Phoebe Philo, da Celine. REUTERS Folha Online

Langoni: queda na inflação pode evitar "choque" com alta do mínimo

Marcela Rocha
Carlos Langoni foi presidente do Banco Central e atualmente é diretor de Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas. Em entrevista a Terra Magazine, ele explica o que chama de mudança na estratégia do BC para conter a inflação, e alerta para o "choque do salário mínimo".
O economista avalia que, caso não caia o índice inflacionário "muito rapidamente", o país sofrerá em 2012 um "choque" causado pelo aumento do salário mínimo, que, segundo ele, deve alcançar 7,5% por conta do crescimento do país em 2010.
- Temos que entrar em 2012 com a inflação já próxima da meta, colada nela, por que assim minimiza o impacto negativo do aumento do salário mínimo. (...) Tem que fazer isso ainda esse ano, o mais rápido possível, se desse, o recomendável seria ainda no primeiro semestre - avalia.
Langoni justifica a urgência: "Haverá um choque que vai afetar as expectativas de inflação, podendo criar um efeito cascata sobre outros salários, principalmente porque o mercado de trabalho ainda está muito aquecido".
Nesta quarta-feira (30), relatório do BC reviu previsões e disse ser recomendável buscar uma convergência "mais suave" para as metas, e que irá trabalhar para que isso ocorra em 2012. Em seu Relatório Trimestral de Inflação, o BC elevou a previsão para a inflação neste ano, de 5,0% para 5,6%, mas cortou o cenário para o ano que vem de 4,8% para 4,6%, de acordo com o cenário de referência.
- Houve, concordando com a avaliação do BC, um megachoque no preço das commodities. Esse megachoque só se transformou em inflação em países que tinham uma demanda superaquecida, Rússia, Índia e China.
Embora Langoni seja defensor da política monetária como estratégia para a redução da inflação, ele elogia a decisão do governo de rever as políticas fiscais. "Mas é fundamental que o governo realmente implemente com eficiência os cortes anunciados", pontua.
Confira a entrevista:
Terra Magazine - O senhor concorda com as expectativas do BC em relação ao crescimento e inflação?

Carlos Langoni - O que eu acho que está havendo, na verdade, é uma rigidez de expectativas, em grande parte porque o BC mudou a sua estratégia a partir de janeiro. Antes, o foco era a política monetária, centrada no aumento da taxa de juros para o controle da inflação. A dosagem era regulada em função da necessidade de reverter o mais rápido possível a pressão inflacionária.

Que leitura o senhor faz do relatório e do que o senhor avalia ser uma nova estratégia?

Na leitura que fiz do relatório ficou claro que o BC está adotando uma postura mais gradualista. Ou seja, prefere um processo mais lento, dosagens menores da elevação dos juros. Por outro lado, e de certa forma, isso confundiu o mercado porque ele está tratando o aperto de crédito - ou a tentativa de apertar o crédito - como se fosse o substituto para o aumento de juros, quando, no meu ponto de vista, medidas de contenção de crédito são até necessárias, mas são complementares e não substitutas à alta dos juros.

O mercado não concordou muito com o relatório emitido pelo BC...
 
Pois é, aí vem um segundo fator, que explica essas expectativas do mercado: a herança da política fiscal dos últimos dois anos é marcada por ter sido um período de forte expansionismo. A dúvida é a seguinte: O governo vai conseguir desacelerar esses gastos de forma rápida? Do ponto de vista da inflação, a política fiscal tem um efeito mais rápido. Quando se corta gastos, o impacto é quase imediato. Enquanto com a política monetária a defasagem é maior. 

Também há dúvidas no mercado sobre a forma como será implementada a política fiscal e se esse corte é suficiente ou não. Somando essa mudança na política com essas dúvidas em relação à política fiscal, eu diria que o problema brasileiro não é mais o respeito à dívida externa, mas continua sendo a dúvida interna. 

O BC elevou sua expectativa de inflação para 5,6%, mas eu - e a maioria dos economistas - trabalhamos com a expectativa de 6%, partido do pressuposto de que o BC vai elevar os juros no nível que for necessário.

O BC espera ter que subir pouco os juros. O senhor acha possível?
 
Parece que viriam apenas mais dois aumentos de juros, deixando a taxa de juros abaixo de 13,5%. Esse ciclo de aumento, prevê o BC, será interrompido em julho. Eu acho que isso é muito negativo. Quer dizer, não é bom o BC dar uma ideia do período, da duração do ciclo de juros. Então, seria o seguinte, 'os juros serão apertados, elevados, tanto quanto for necessário para trazer a inflação para o centro da meta'.

Hoje o centro é 4,5%. O que o senhor pensa sobre o valor? 

É uma inflação alta, mesmo para padrões de países emergentes. O ideal para o Brasil, no estágio em que estamos, seria uma redução dessa inflação para 3%. O BC está sendo testado, a credibilidade do BC está sendo testada. Então, é importante que ele tenha firmeza, porque os resultados dos anos anteriores são muito positivos.

O senhor falou que o BC está sendo testado. Poderia falar um pouco mais sobre esse processo de conquista da confiança do mercado? 

O BC vai manter o compromisso firme? O BC não pode aceitar passivamente desvios da inflação em relação à meta mesmo que haja uma explicação, com a qual concordo: houve um megachoque no preço das commodities. Esse mega-choque só se transformou em inflação em países que tinham uma demanda super aquecida, Rússia, Índia e China. Nos países industrializados, o megachoque das commodities praticamente não mudou a tendência inflacionária. Então, é lógico que o problema brasileiro, além da questão externa que não controlamos, é efeito de uma demanda que continua crescendo no ritmo de 8% ao ano, muito acima da oferta. Tem que realmente cortar essa gordura inflacionária o quanto antes.

Onde está localizada a urgência desse corte? 

Tem que fazer isso ainda esse ano, o mais rápido possível, se desse, o recomendável seria ainda no primeiro semestre. Ano que vem teremos o choque do salário mínimo. Com a regra, o mínimo terá um aumento real de aproximadamente 7,5%, que foi o crescimento de 2010. Somado à inflação, esse salário mínimo terá 7,5% de aumento. Ou seja, haverá um choque que vai afetar as expectativas de inflação, podendo criar um efeito cascata sobre outros salários, principalmente porque o mercado de trabalho ainda está muito aquecido.

O que fazer? 

É importante que o BC reafirme o seu compromisso. Acho que é um momento de aperto monetário e quanto antes ele ocorrer, melhor. O controle de crédito é necessário, medidas para preservar a solidez financeira também. Mas essas medidas não são substitutas para o aumento dos juros.

Por quê?

O crédito afeta apenas os bens intensivos em financiamento. Enquanto o aumento de juros afeta todas as atividades, inclusive serviço, que vem crescendo muito, refletindo o aquecimento do mercado de trabalho e o aumento do salário real.

O senhor falou do impacto do salário mínimo que deve chegar ano que vem. Qual é esse impacto?

Veja o paradoxo: o próprio BC já aceita que o crescimento neste ano será bem menor do que no ano passado - 4%. Então, se for 4 ou 3,5 não faz a menor diferença do ponto de vista até mesmo de emprego formal, que vai continuar elevado. É preferível, então, aceitar os custos e preparar o país para o ano que vem. Aí, em 2012, temos que entrar com a inflação já próxima da meta, colada nela, por que assim minimizamos o impacto negativo do aumento do salário mínimo. 

Mas é fundamental que o governo realmente implemente com eficiência os cortes anunciados. Assim, a dúvida do mercado pode ser sanada quando começar a aparecer - no segundo trimestre - o efeito dessa redução de gastos. E as condições para isso são muito favoráveis porque a receita, a arrecadação, continua crescendo fortemente, o que caracteriza um ambiente ideal para executar esse ajuste fiscal. Terra Magazine