News by Twitter - Share this blog on your social networks

Thursday, June 28, 2012

1846: Concedida a patente do saxofone


No dia 28 de junho de 1846, o belga Adolphe Sax recebeu a patente do saxofone. Na época, o mestre na construção de instrumentos musicais justificou a invenção com a falta de bons instrumentos de sopro de madeira de timbre agudo. O sucesso do "sax", entretanto, viria com o jazz.
O sucesso chegou durante a Primeira Guerra Mundial: nos bares de jazz de Chicago, o saxofone começou a superar a clarineta; esteve presente na fase final do jazz de Nova Orleans e na grande era das big bands.
Não se poderia imaginar a música de Glenn Miller, de Benny Goodman ou de Duke Ellington sem o saxofone. E, posteriormente, ele se tornou também o instrumento de improvisação de grandes solistas do jazz, como John Coltrane, entre outros.
O jazz foi assim o grande responsável pelo triunfo do saxofone no século 20. A invenção do instrumento se deu, no entanto, várias décadas antes de ele obter tal êxito.
Curiosidade aguçada
O belga Adolphe Sax aprendeu ainda jovem o ofício de construtor de instrumentos musicais na oficina do seu pai. Posteriormente, estudou música no Conservatório de Bruxelas. Mas logo reconheceu que a sua paixão não era tocar música e, sim, gerar sons. Sax gostava de experimentar e de inventar, utilizando cornetas, tubas, fagotes e clarinetas. Fazia experimentos com quase tudo o que gerava som através de uma coluna de sopro.
Após obter seus primeiros êxitos na terra natal, Adolphe Sax deixou a Bélgica e foi para Paris, com pouco dinheiro, mas grandes ambições. Os compositores e músicos parisienses da época já tinham ouvido falar do talentoso belga e o receberam de braços abertos.
Nessa época, já existia um protótipo de seu novo instrumento, o saxofone, que ele levara consigo para Paris. Pois, em 1842, o compositor Hector Berlioz – na época já um grande amigo de Sax – descrevera a invenção na sua coluna de jornal: "Seu som não se compara ao de nenhum outro instrumento agudo comum. Ele é encorpado, suave, vibrante, de uma força enorme e apropriado para o uso com surdina. Na região superior, gera notas de tal pungência que se torna ideal para expressões melódicas".
Muito reconhecimento e pouca música
Apesar de o elogio entusiástico ter tornado Sax conhecido no cenário musical parisiense, o saxofone não conseguiu se impor inteiramente nas músicas de ópera e de orquestra da época. Compositores conhecidos, como Berlioz, Donizetti e Rossini, logo se tornaram admiradores e amigos do inventor, mas pouco se compôs para saxofone.
No ano de 1845, Sax se apresentou diante da família real, buscando introduzir seus instrumentos nas orquestras militares francesas. Em consequência disso, foi promovido um concurso público, no Champ de Mars em Paris, entre uma banda militar de cunho tradicional e outra com instrumentos de Sax. A banda de Sax venceu claramente o concurso.
Partindo desse êxito, Adolphe Sax também começou a tratar de negócios. Já em 1843, ele havia criado uma sociedade anônima e, em 28 de junho de 1846, recebeu também o certificado francês de patente para toda a família de instrumentos denominados "saxofone".
Sem sucesso nas finanças
Na declaração que acompanhava o seu requerimento de patente nº 3226, ele justificou a invenção com a falta de bons instrumentos de sopro de madeira de timbre agudo. Os instrumentos existentes não tinham volume suficiente para a música ao ar livre e para as bandas militares.
A patente tinha uma duração de 15 anos, como era padrão na França, na época. Com isto, Sax obteve um prazo durante o qual somente ele poderia construir saxofones. Sua fábrica entrou em concordata três vezes, e ele teve de investir muita força e dinheiro em processos judiciais contra outros fabricantes, que contestavam o seu direito à patente.
Após uma única prorrogação possível da patente por cinco anos, a construção de saxofones tornou-se direito geral em 1866, sendo então aproveitada por outros fabricantes. Já na década de 1860, surgiram os primeiros saxofones italianos e, em 1888, a firma Conn iniciou a sua produção nos Estados Unidos. A construção de saxofones alemães teve início no ano de 1901, através da firma Oskar Adler.
Adolphe Sax, o inventor do saxofone, morreu em 1894, pobre como muitos dos seus colegas inventores. Ele não pôde mais presenciar o triunfo do seu instrumento, que se consumou somente com a propagação do jazz.
DEUTSCHE WELLE

Brasileiros compartilhavam pornografia infantil com 34 países

RIO e SÃO PAULO - A Polícia Federal (PF) desencadeou nesta quinta-feira a Operação DirtyNet com o objetivo de desarticular uma quadrilha que compartilhava material de pornografia infantil na internet. Ao todo, 32 pessoas foram presas através de mandados ou em flagrante, entre elas o radialista Rodrigo Vieira Emerenciano, vulgo Mução. Segundo a PF, os crimes praticados envolviam crianças, inclusive com menção a estupro cometido contra os próprios filhos, sequestros, assassinatos e atos de canibalismo. Segundo as investigações, a rede brasileira tinha conexão com pessoas de mais 34 países.

A investigação foi realizada pela Polícia Federal em Porto Alegre. A ação teve apoio do Ministério Público Federal (MPF) e da Interpol, a polícia internacional. Segundo a PF, as prisões no Brasil ocorreram em São Paulo (9), Rio de Janeiro (5), Rio Grande do Sul (5), Minas Gerais (5), Paraná (3), Maranhão (2), Ceará (1), Espírito Santo (1) e Bahia (1).

Foram cumpridos, ainda, 50 mandados de busca e apreensão, que resultaram no recolhimento, entre outros acessórios para armazenamento de arquivos digitais, de HDs, computadores, mídias, pendrives, câmeras fotográficas e filmadoras. Em um dos imóveis, em Porto Alegre, os agentes federais apreenderam uma coleção de 5,7 mil fotos e diversos vídeos.

De acordo com a Polícia Federal, também foram realizadas, nesta quinta-feira, ações de combate à divulgação de pornografia infantil no Reino Unido e na Bósnia e Herzegovina.

A operação DirtyNet é um desdobramento de uma ação anterior da Polícia Federal, batizada ‘Caverna do Dragão’. A partir dessa primeira operação, agentes descobriram e monitoravam há pelo menos seis meses uma rede de aproximadamente 160 usuários de conteúdos pornográficos envolvendo crianças e adolescentes; 97 usuários no exterior e 63 deles no Brasil. A rede, de acordo com a Polícia Federal, era “privada, criptografada, onde só é possível entrar com convite e aprovação dos outros membros”.

Todo o material apreendido na operção desta quinta-feira será periciado para comprovar o indício de produção de imagens, ou seja, de abuso e estupro de crianças e adolescentes.

Os alvos brasileiros compartilhavam material de pornografia infantil com usuários da internet na Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia, Canadá, Chile, Colômbia, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Equador, Estados Unidos, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Indonésia, Iran, Holanda, Macedônia, México, Noruega, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Rússia, Sérvia, Suécia, Tailândia e Venezuela.

A Polícia Federal já comunicou, através da Interpol, os países envolvidos para que seja dado prosseguimento às investigações a fim de identificar todos os envolvidos.

As ordens judiciais no Brasil foram cumpridas nas cidades de Porto Alegre, Esteio e Santa Maria (RS), Belo Horizonte, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia, Varginha e Divinópolis (MG), Curitiba, Foz do Iguaçu, Maringá e Guaíra (PR); Fortaleza (CE); Natal (RN); Rio de Janeiro, Niterói e Nova Iguaçu (RJ); São Paulo, Santos, São José dos Campos e Piracicaba (SP); Recife (PE); Salvador (BA); São Luís do Maranhão (MA); Vitória (ES) e Brasília (DF).

O GLOBO

Polícia britânica exige que Assange deixe embaixada do Equador

LONDRES - A polícia britânica intimou o fundador e editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange, a comparecer a uma delegacia, o primeiro passo como parte de seu processo de extradição, exigindo que ele deixe a embaixada do Equador onde está abrigado há nove dias, em busca de asilo político. A carta foi entregue na embaixada do Equador em Londres.

Assange, de 40 anos, é procurado na Suécia por acusações de crimes sexuais. Ele nega as alegações, afirmando que o caso tem motivações políticas.
Ele agora corre o risco de ser preso no momento em que sair do prédio de tijolos vermelhos por ter violado os termos de sua fiança, mantendo tanto seus defensores quanto a polícia intrigados sobre o que ele poderá fazer em seguida.

Nesta quinta-feira, 28, a polícia disse que havia formalmente "enviado um aviso de rendição para um homem de 40 anos de idade, que exige que ele vá a uma delegacia de polícia em data e hora de nossa escolha".

A polícia acrescentou que: "ele permanece em violação das condições de sua fiança, e não se render seria uma violação ainda maior das condições e ele está sujeito à prisão". A declaração, de acordo com a política da polícia britânica, não cita o nome dele, mas a mídia local citou fontes identificando-o como Assange.
O fundador do WikiLeaks teme que os Estados Unidos tenham planos de acusá-lo de vazar centenas de milhares de documentos secretos americanos, como aconteceu com o soldado Bradley Manning, de 24 anos, que é acusado de colaborar com inimigos do país ao repassar arquivos secretos para o WikiLeaks e aguarda julgamento.
A extradição foi requisitada em Dezembro de 2010. Assange passou os últimos 18 meses tentando evitá-la, mas perdeu em todas as instâncias legais. Com isso só lhe restou refugiar-se na embaixada do Equador, onde está além do alcance das autoridades britânicas. O governo do presidente equatoriano Rafael Correa afirma que está analisando o pedido de asilo.
ASSOCIATED PRESS/REUTERS/ESTADÃO

Pedágios de São Paulo sobem a partir de domingo


SÃO PAULO - A partir do próximo domingo, 1º, os pedágios das rodovias estaduais serão reajustados em percentuais que variam entre 4,26% até 4,98%. O governo do Estado manteve neste ano dois índices para o cálculo da nova tarifa: o IPCA e o IGPM.
Rodovias como via Anchieta, Bandeirantes e Castelo Branco terão o menor índice. Ja as rodovias como a Dom Pedro I, Raposo Tavares e Ayrton Senna terão maior percentual de aumento.
No começo do ano, o governo havia anunciado que iria padronizar o índice de reajuste em todas as rodovias pelo IPCA, entretanto, como o valor do IGPM calculado nos últimos 12 meses ficou maior que o outro índice, o Estado manteve os dois indicadores neste ano.
A praça de pedágio que terá maior aumento será a da Rodovia Anchieta. O valor subiu R$ 1,10 e custará R$ 21,20 para veículos de passeio. Isso se deve ao fato de haver apenas uma praça de pedágio em toda a rodovia. Segundo o governo, em 85% das praças o aumento será de até R$ 0,30.
ESTADÃO

Wednesday, June 27, 2012

Alunos do Exército suspeitam que fogueira causou explosão em Deodoro

RIO - Alunos que estavam no campo de treinamento do Exército em Deodoro, há uma semana, quando uma explosão matou um militar e feriu dez, suspeitam que o acidente tenha sido causado por uma fogueira. A informação foi dada pelo supervisor de manutenção Célio Alves Eugênio, de 47 anos, pai de Vinicius Figueira Benedicto Eugênio, de 22 anos, morto durante o exercício. 

Ele disse, em depoimento exclusivo ao GLOBO, que a supeita é de colegas do filho, que também participavam do treinamento no Campo de Instrução de Camboatá.


Célio disse ter conversado em hospitais com jovens que, como Vinícius, estavam no exercício do curso de sargento do Exército. Segundo eles, o calor da fogueira feita para preparar o jantar - um frango capturado no local - teria provocado a detonação de uma mina. Célio lembrou que os feridos não perderam pernas ou pés, o que, em sua opinião, enfraqueceria a possibilidade de o aluno ter pisado num artefato.

Procurado pelo GLOBO nesta quarta-feira, o Exército informou que não fará comentários antes da conclusão do inquérito. Na segunda-feira, a instituição voltou a dizer que a perícia ainda está em andamento e que o inquérito policial-militar sobre o caso tem 40 dias para ser concluído.

- Eles (o Exército) só dizem que temos que esperar a auditoria, que temos que aguardar o resultado da perícia técnica - contou Célio. - Eles ainda vão ouvir os jovens feridos. Enquanto isso, a gente fica sem saber o que aconteceu. O armário do meu filho não tinha sido aberto até domingo, quando fui até lá. O laudo da causa da morte dele diz que houve afundamento torácico, com perfuração da veia esquerda do coração. Ou seja, meu filho não sofreu queimadura nenhuma, ele não pisou numa mina. Alguma coisa bateu no peito dele com violência. Não foi a bomba em si que o matou, foi hemorragia interna.

Vinicius estava num grupo de 11 militares no treinamento. Segundo Célio, alunos contaram que a explosão aconteceu quando eles colocaram o frango na fogueira. O acidente ocorreu por volta das 21h30m. Um grupo de jovens enfermeiras, que estava próximo à barraca de Vinicius e seus colegas, foi o primeiro a chegar ao local. O filho de Célio já estaria sem pulso.

O pai, que é separado da mãe do jovem, Márcia Maria, soube da morte do filho por ela:

- Eu me desestruturei todo. Meus vizinhos me levaram de carro ate Nilópolis (onde o jovem morava) para saber o que o Exército tinha a nos dizer. Mas coração de pai não se engana. Eu já sabia o que era.

Vinicius, que será homenageado nesta quarta-feira numa missa de sétimo dia encomendada pelos colegas do Exército, ficava de segunda a sexta-feira no quartel. Nos fins de semana, seguia para Nilópolis, onde vivia com a mãe, uma mulher doente, que sofre de problemas psicológicos. Célio disse que Vinicius comprava os remédios da mãe, dava assistência a ela e passeava com a mulher.

Segundo o pai da vítima, o Exército informou que ainda mandará assistência social à casa de sua ex-mulher, juntamente com um auxílio psicológico, para analisarem a possibilidade de um tratamento. Célio disse ainda que pensa em contratar um advogado para orientá-lo no caso.

- Vamos esperar o Exército. Se eles disserem que meu filho teria direito a menos do que a gente concluir que teria, vamos entrar na Justiça. Nada vai trazer meu filho de volta, mas que seja feito o certo, mesmo que leve um ou dois anos - disse. - Eu não quero nada para mim. A minha preocupação toda é a mãe dele ter um padrão de vida bom. Queremos comprar uma casinha para ela, já que ainda está com os pais. Que ela possa passear um pouco, procurar um bom psicólogo e ter um bom plano de saúde. Nosso medo é ela ter uma recaída agora, já que dependia totalmente do meu filho. É complicado. Fora a parte financeira, havia o carinho e a atenção.

Apesar de as tias do jovem terem afirmado que o sobrinho havia reclamado dos treinos no quartel, Célio disse que o filho sempre comentava com ele o que acontecia nas aulas e nunca reclamou dos exercícios:

- Ele me dizia que as aulas eram difíceis, mas nada além disso. Ligava dizendo que havia participado de todas as corridas e todos eventos do quartel. Nos últimos tempos, ele estava ocupando boa parte do tempo com estudos, então estava mais cansado. Meu filho tinha todos os dias educação física, mas isso é normal, nada em excesso. Só falava bem do quartel para mim.

No enterro de Vinicius, no Caju, na última sexta-feira, Célio percebeu os amigos bastante emocionados.

- Alguns o chamavam de "pai", porque ele dividia a comida racionada com os garotos, ele os incentivava. Havia jovens de outros estados com quem ele conversava e até mostrava o Rio de Janeiro. Todo mundo gostava dele, até o próprio coronel. Ele gostava muito de trabalhar no Exército e era muito estudioso - afirmou o pai.

A relação de Vinícius com o pai sempre foi de muito companheirismo, de acordo com Célio, que caracteriza o filho como "um garoto de paz". Ele disse que o jovem ligava para ele todos os dias, até quando esteve em treinamentos militares no Norte. Célio, pai de outros dois filhos, diz que está tentando manter-se ocupado para não sofrer com a saudade.

- Meu chefe me liberou. Estou indo à casa da minha ex-mulher quase todo dia para dar assistência. Minha filha está com ela, deixou o marido em Búzios, onde moram. Não posso mexer no celular, que tem fotos e mensagens dele. Uma das últimas que ele me mandou dizia: "Mesmo que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, eu nada seria sem você" - contou Célio, com a voz embargada. - Mas eu tenho para mim que ele cumpriu a missão dele. E meus outros filhos estão ao meu lado.

Vinicius, segundo o pai, tinha planos de estudar fora do quartel. Ele queria também atuar, no Exército, em missões humanitárias, como salvamentos e distribuição de alimentos.

- Tenho recebido vários e-mails de colegas falando bem dele. E isso me dá orgulho como pai. Com o pouco que eu ensinei, ele soube levar a vida - disse Célio. - De noite, para dormir, vem aquele monte de lembranças, só boas, de alegrias. Ele era um garoto alegre, ia sorridente para as viagens do Exército.

O Ministério Público Militar está acompanhando as investigações do Exército sobre a explosão. Na última semana, o general de brigada Carlos Alberto Neiva Barcellos, chefe do Centro de Comunicação Social do Exército, afirmou que os alunos estavam em exercícios de treinamento de sobrevivência sem uso de explosivos. A área em Deodoro onde ocorreu a explosão até o ano passado era usada pelo Centro de Instrução de Operações Especiais do Exército. Nos exercícios, o uso de artefatos explosivos era comum. No entanto, segundo o coronel Abílio Sizino de Lima Filho, diretor da Escola de Sargentos de Logística (EsSLog), onde o jovem morto e os outros dez feridos estudavam, o local passava por varreduras após cada treinamento.

Uma amiga de infância de Vinícius, Mereosana Dias, de 26 anos, contou durante o velório do jovem que uma aluna da escola disse ter encontrado uma mina no campo de treinamento um dia antes da explosão. Procurado, o assessor de imprensa do Comando Militar do Leste, coronel Carlos Alberto Lima, não comentou o fato.

O GLOBO

'Biscoito do orgulho gay' gera guerra de comentários no Facebook


Uma campanha do biscoito Oreo no Facebook com a imagem de um biscoito com um recheio nas cores do arco-íris - o tradicional símbolo gay - foi ''curtida'' por mais de 200 mil internautas e com mais de 60 mil comentários.
A imagem do biscoito de chocolate, postada na segunda-feira, aparece acima da data ''25 de junho'' e da palavra ''orgulho'', em referência ao Dia do Orgulho Day, seguida ainda da frase ''Orgulhosamente apoie o amor!''.
O Dia do Orgulho Gay na verdade é celebrado em 28 de junho, mas o mês de junho tradicionalmente é o mês do orgulho gay em diferentes partes do mundo. O biscoito multicolorido foi especialmente criado para a campanha e não está à venda.
A página do Oreo conta com quase 27 milhões de seguidores. A maior parte dos que comentários deixados abaixo da imagem do biscoito multicores foram positivos, mas muitos foram críticos em relação à campanha publicitária.
A internauta Judith Farry deixou o seguinte comentário: ''Obrigado...e esse é o mais LINDo biscoito que eu já vi''. Rebecca Hoffman comentou que ''já não é sem tempo que marcas passem a mostrar apoio às coisas que importam para elas. Todo mundo tem a sua opinião e a Oreo está mostrando a sua''.

Passagens bíblicas

Muitos cristãos evangélicos condenaram a iniciativa postando passagens da Bíblia. Beth Hart afirmou que ''Deus, em seu infinito amor diz que a homossexualidade é sodomia, é uma abominação à luz do Deus divino. O amor é a verdade''.
Alguns deixaram comentários abertamente homofóbicos, como Andy Fischer, dizendo que ''homens brancos, asiáticos e latinos irão reconquistar esse nosso grande país e expulsar os maricas que estão tentando espalhar sua doença na mente de nossas crianças. Oh, que dia feliz seria esse!''.
Basil Maglaris, diretor-assistente de Assuntos Corporativos da Kraft, que possui a Nabisco, empresa que produz o Oreo, afirmou que a imagem do biscoito foi uma homenagem ao Mês do Orgulho Gay.
"Como empresa, a Kraft Foods tem uma história de orgulho em celebrar a diversidade e a inclusão. Nós acreditamos que o anúncio do Oreo é um divertido reflexo dos nossos valores'', afirmou Maglaris.
O anúncio integrou a celebração de 100 anos da Oreo. A companha vem postando novos conteúdos diariamente, para marcar o aniversário.
Muitas grandes empresas enviaram representantes para paradas gays realizadas nos Estados Unidos no último final de semana, entre elas a Bud Light, a Wells Fargo, a Johnson & Johnson e a Coca-Cola.
O anúncio do Oreo já desencadeou outra campanha, uma petição online defendendo a criação real do biscoito arco-íris. Os defensores da iniciativa alegaram motivos ideológicos, bem como de consumo: ''1. Os gays merecem direitos iguais. 2. Ele parece ser delicioso. Por favor, assine aqui e diga que você quer ver o 'Oreo Gay' nas prateleiras muito em breve!''.

BBC BRASIL

Mais de 30 mil fogem de incêndios no Colorado


Mais de 32 mil pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas devido ao incêndio que ameaça a cidade de Colorado Springs, no Estado americano do Colorado.
As ruas da cidade ficaram tomadas por um congestionamento de carros e pela fumaça do incêndio, enquanto a população tentava escapar.
Mais de 800 bombeiros estão combatendo as chamas que se estendem por uma área de 6,2 hectares, mas os trabalhos estão sendo prejudicados pelo clima quente e seco que predomina no oeste dos Estados Unidos nesta época do ano.
Não há informações de feridos e vários alertas de incêndio já foram divulgados em vários Estados do oeste americano.
BBC BRASIL

Abraço de irmãos termina em morte por homofobia na Bahia


SALVADOR - José Leonardo da Silva, 22 anos, não imaginava que o gesto inocente de caminhar abraçado com seu irmão gêmeo, José Leandro, despertaria a ira de outros homens. Os gêmeos foram espancados por cerca de oito pessoas na madrugada do último domingo (24) quando voltavam do Camaforró, na cidade de Camaçari (Grande Salvador). Leonardo morreu no local ao receber várias pedradas na cabeça, enquanto Leandro foi levado ao Hospital Geral de Camaçari com um afundamento na face, mas já recebeu alta.
Os agressores, que não tinham passagem na polícia, foram presos no mesmo dia do crime e estão custodiados na 18ª Delegacia (Camaçari). Segundo a delegada da 18ª DT, Maria Tereza Santos Silva, trata-se de um crime de homofobia.

- Pensaram que eles fossem um casal homossexual. Os agressores e as vítimas não se conheciam e não tiveram nenhuma briga anterior, por isso acho que a motivação seja a homofobia - explica.

A delegada relata que o grupo desceu de um micro-ônibus ao ver os gêmeos abraçados e iniciou as agressões.

- Eles alegaram que acharam que era um homem e uma mulher brigando - conta Maria Tereza. Após as investigações, ela indiciou três das sete pessoas conduzidas para a delegacia. Douglas dos Santos Estrela, 19; Adriano Santos Lopes da Silva, 21; e Adan Jorge Araújo Benevides, 22; foram autuados em flagrante por homicídio qualificado (por motivo fútil) e formação de quadrilha. Diogo dos Santos Estrela, irmão de Douglas, está foragido.

Segundo a delegada Maria Tereza, durante as agressões, Leonardo reagiu, conseguiu tomar a faca da mão de Diogo e saiu caminhando. Ao ver Leonardo com a faca que pertencia a Diogo, Douglas perguntou onde estava seu irmão.
- Leonardo respondeu que não sabia. Douglas pediu para ele largar a faca e conversar. Depois, Adriano meteu um paralelepípedo na cabeça de Leonardo e Douglas pegou a mesma pedra e golpeou várias vezes a cabeça da vítima - relata a delegada Maria Tereza. Adan foi o que desferiu os socos que provocaram o afundamento na face de Leandro, que sobreviveu.

Para a delegada Maria Tereza, o crime contra os gêmeos mostra um problema social.

- Estamos no século 21 e matar uma pessoa porque é homossexual é um absurdo. Um jovem pagou com a vida porque foi confundido com um gay - destaca a delegada. O presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), Marcelo Cerqueira, afirma que o episódio demonstra claramente o grau de homofobia cultural presente na sociedade.

- Esse caso mostra o perigo que é ser homossexual e demonstrar carinho em público. A gente repudia a situação e chama a atenção para a aprovação da lei que torna a homofobia crime no Brasil. Enquanto isso não acontecer, muitos casos vão se repetir - ressalta.

- Defender os direitos dos homossexuais é defender os direitos humanos - completa.

Em julho do ano passado, um caso semelhante ocorreu no interior de São Paulo, na cidade de São João da Boa Vista. Pai e filho foram espancados em uma feira agropecuária porque estavam abraçados, assistindo às apresentações, quando um grupo com sete homens se aproximou e perguntou se eles eram gays.

O pai explicou que não, e o grupo foi embora, mas voltou logo depois e começou uma sessão de espancamento contra os dois.

O GLOBO

Blogueiro iraniano vencedor do The BOBs recebe prêmio em Bonn


Em seu blog "Janela da Angústia", Arash Sigarchi escreve sobre o desenvolvimento político no Irã. Após deixar a prisão em seu país de origem, desde 2008, ele vive e trabalha nos Estados Unidos.
Os vencedores do The BOBs, concurso internacional de blogs da Deutsche Welle, receberam o prêmio nesta terça-feira (26/06) durante o Global Media Forum, em Bonn, na Alemanha. O principal vencedor da edição 2012 foi Arash Sigarchi, jornalista iraniano, escolhido por um júri internacional em Berlim.
"Quando eu comecei a escrever o blog, há 10 anos, não existia prêmio para ser vencido. O motivo que me levava a escrever era a tentativa de contornar a censura. Eu sempre tive certeza de que os blogueiros seriam reconhecidos e considerados", comentou Sigarchi, orgulhoso de seu trabalho. 
Leitores do Irã
No Ocidente, muitos questionam se, depois dos tempos atribulados, o Movimento Verde se calou no Irã. Para Arash Sigarchi, essa impressão é equivocada, ilustrando que o rio continua a correr debaixo da camada de gelo. "O gelo nunca poderá cobrir o rio totalmente. Pode ser que menos pessoas tenham coragem de fazer um blog agora, mas o conteúdo produzido se desenvolveu qualitativamente".
Sigarchi tira essa conclusão a partir de sua própria experiência. Entre mil e 14 mil internautas visitam diariamente o seu blog Janela da Angústia. Quase 70% dos cliques vêm do Irã, graças a programas que conseguem driblar a censura, que proíbe seu blog de ser acessado no país. Muitos conhecem Sigarchi ainda da época em que ele trabalhava como redator – e depois como redator-chefe – do jornal regional Gilane Emrooz.
Censura, prisão, doença e exílio
Desde 2008, Sigarchi trabalha como apresentador na rádio Voice of America, em Washington, Estados Unidos. Quatro anos antes, ele havia sido preso no Irã e condenado a uma pena de 14 anos de reclusão. Suas reportagens críticas foram o motivo da acusação. Com a ajuda de sua advogada, a Nobel da Paz Shirin Ebadi, a pena foi reduzida para três anos, mas Sigarchi teve que enfrentar outros golpes. Seu irmão, que era músico, morreu vítima de um acidente de trânsito.
Durante a prisão, Sigarchi foi diagnosticado com câncer e seu rosto ainda guarda as marcas da operação. Depois que ganhou liberdade para o tratamento da doença, Sigarchi conta que foi o amor e o casamento com a companheira de longa data que o ajudou a vencer o câncer.
Ainda assim, ele continuou a postar no Janela da Angústia. O nome do blog ganhou ainda mais sentido, acredita Sigarchi.  "Como apresentador, eu observo o Irã todos os dias. Em cada página que eu abro na internet, eu leio más notícias".
Direitos Humanos
Quem sofre censura por vários anos desenvolve, automaticamente, um tipo de autocensura. Mas escrever em liberdade o deixou mais criativo, diz Sigarchi. Pensativo, ele acrescenta: "Liberdade traz responsabilidade, e quem assume a responsabilidade precisa de confiança. E confiança é o bem mais precioso do trabalho jornalístico".
Apesar de toda vivência e fatalidades, Sigarchi se esforça em manter a objetividade, justiça, equilíbrio e verdade.  "Eu sou jornalista, e tudo o que publico no blog é visto como uma notícia jornalística".
Direitos Humanos
Ute Schaefer, redatora-chefe da Deutsche Welle, comandou em Berlim o júri do The BOBs, que escolheu os vencedores. Depois de conversar com Sigarchi e os outros premiados, ela disse que todos mostram uma postura profissional e que cobram claramente o cumprimento dos direitos humanos. Para a DW, acrescentou, esse é um bom motivo para a cooperação com os blogueiros.
Depois de receber a premiação, Arash Sigarchi vai ficar mais alguns dias na Alemanha. Ele quer assistir a algumas partidas da Eurocopa. Nos Estados Unidos, ele sente falta da empolgação em torno do futebol. O palpite de Sigarchi: a Alemanha deve vencer o campeonato.
DEUTSCHE WELLE

Vale obtém licença para projeto na serra sul de Carajás


RIO DE JANEIRO, 27 Jun (Reuters) - A Vale deu o primeiro passo de licenciamento ambiental para um bilionário projeto de minério de ferro localizado na serra sul de Carajás, no Pará, com início das operações previsto para 2016.
A mineradora brasileira, maior produtora global de minério de ferro, informou nesta quarta-feira ter recebido licença prévia ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para seu projeto Carajás S11D.
O projeto, o maior da história da Vale, tem investimento estimado 8 bilhões de dólares para desenvolvimento de mina e usina de processamento, e o início das operações está programado para a segunda metade de 2016.
"A licença prévia faz parte da primeira fase de licenciamento do empreendimento e atesta sua viabilidade ambiental", afirmou a Vale em fato relevante.
A capacidade nominal do projeto é de 90 milhões de toneladas métricas anuais de minério de ferro.
O passo seguinte no processo de licenciamento ambiental é a obtenção da licença de instalação (LI), o que viabilizará o início das obras de construção da usina.
Na região de Carajás já está a principal mina de minério da Vale, com produção de 109,8 milhões de toneladas em 2011.
A mineradora produziu 322,6 milhões de toneladas de minério de ferro no ano passado.
As ações da mineradora operavam voláteis, perto de uma estabilidade, por volta das 11h40.
"O mercado se importou sim... A notícia é muito positiva, a licença acaba permitindo o projeto, mas com o mercado azedo, ela acaba cedendo por alguns momentos", disse o estrategista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi, comentando o fato de o papel não registrar um alta expressiva.
O S11D será acompanhado por investimento em infraestrutura de logística estimado em 11,4 bilhões de dólares, o que permitirá, após sua conclusão, a movimentação de 230 milhões de toneladas métricas anuais de minério de ferro.
"Carajás oferece a melhor plataforma de crescimento de minério de ferro no mundo, combinando substancial volume de reservas provadas e prováveis, 4,239 bilhões de toneladas métricas, e baixo custo operacional resultante da alta qualidade do depósito mineral e do eficiente sistema logístico para transporte a longa distância", afirmou a mineradora em nota.
Segundo a companhia, o projeto S11D estabelecerá base para a construção ao longo do tempo de novas plataformas de criação de valor, dando sustentação à manutenção no longo prazo da liderança da Vale no mercado global de minério de ferro.
"O minério de ferro de alta qualidade de Carajás apresenta menores custos operacionais e valor em uso superior para a indústria do aço, pois implica em maior produtividade e menor consumo de combustível e emissões de carbono, o que... contribui para a sustentabilidade ao longo da cadeia produtiva", afirmou a Vale.
REUTERS BRASIL

Rainha e ex-dirigente do IRA dão aperto de mãos histórico


A Rainha Elizabeth 2ª iniciou uma visita oficial de dois dias à Irlanda do Norte, onde se encontrou com o ex-líder do Exército Republicano Irlandês (IRA) Martin McGuiness.
Atualmente, McGuiness é vice-primeiro-ministro do país.
Eles posaram juntos para uma foto oficial e cumprimentaram-se em um teatro da capital Belfast, ato que foi considerado um dos mais notórios símbolos de reconciliação desde o início do processo de paz.
Em julho de 2005, após 25 anos de luta armada, o IRA anunciou um cessar-fogo, quando depôs as armas, processo terminado em setembro do mesmo ano.
O grupo nasceu em 1913, inicialmente com o objetivo de tornar a Irlanda do Norte independente do Reino Unido.
BBC BRASIL

Apoio de Maluf a Haddad é rejeitado por 62% dos eleitores


O apoio do deputado Paulo Maluf (PP-SP) ao pré-candidato petista Fernando Haddad é rejeitado por 62% dos eleitores paulistanos, de acordo com uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha. Quando a aliança é avaliada por entrevistados "petistas", a rejeição chega a 64%.
O anúncio do apoio do deputado, que contou com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, causou crise na campanha de Haddad e fez a deputada Luiza Erundina (PSB) desistir de ser a vice na chapa. Segundo a pesquisa, 59% dos entrevistados responderam que não votaria em candidatos apoiados por Maluf. Para 26% o apoio seria indiferente e 12% seguiriam a indicação.
No entanto, a pesquisa revela que apenas 17% das pessoas entrevistadas sabem que o deputado apoia Haddad e 70% desconhecem quem Maluf apoiará nessas eleições. Responderam aos questionamentos 1.081 pessoas nos dias 25 e 26 de junho. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.
O episódio só rendeu positivamente para Erundina, cujo protesto foi apoiado por 67% dos eleitores.
Cabos eleitorais. A influência de Lula para puxar votos caiu novamente. Nesta pesquisa, 36% dos eleitores dizem que votariam num candidato apoiado pelo ex-presidente. Em janeiro, porém, o índice era de 49%. Apesar da redução, Lula continua sendo o principal influenciador. No levantamento realizado no dia 14, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin influenciava no voto de 29% dos entrevistados, seguido pela presidente Dilma Rousseff (28%) e pelo prefeito Gilberto Kassab (12%).
Corrida eleitoral. A disputa pela Prefeitura de São Paulo se manteve. O pré-candidato tucano José Serra continua com 31% das intenções de voto, seguido pelo ex-deputado Celso Russomanno (PRB), agora com 24% (três pontos acima) e por Haddad, com 6% (dois pontos a menos). O deputado Gabriel Chalita (PMDB) também recebeu 6%, mesmo índice do vereador Netinho de Paula (PC do B), que ainda não havia retirado a pré-candidatura quando a pesquisa foi realizada.
ESTADÃO

Governo anuncia pacote de R$ 8,43 bilhões para compras governamentais


BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, detalhou nessa quarta-feira o 'PAC de compras do governo'. No total, serão investidos R$ 8,534 bilhões na compra de ambulâncias, furgões odontomóveis, vagões de trens urbanos, motocicletas, perfuratrizes para perfuração de poços, entre outros.
Desse total, parte já estava prevista no Orçamento de 2012 e R$ 6,611 bilhões são compras adicionais liberados por meio de uma Medida Provisória. Essas aquisições, de acordo com ele, serão concentradas no segundo semestre do ano. "Com isso, o PAC total de 2012 subirá de R$ 42,6 bilhões para R$ 51 bilhões. É o maior PAC que já fizemos e vamos procurar implementá-lo integralmente", disse o ministro.
O evento, chamado pelo governo de 'PAC Equipamentos - Programa de Compras Governamentais', foi realizado no Palácio do Planalto. Para o anúncio, foi montado um cenário, onde foram estacionados vários ônibus escolares que serão entregues às prefeituras. No salão onde aconteceu o evento, foram colocadas carteiras escolares, em um formato similar a uma sala de aula. Estavam presentes vários prefeitos e empresários.
Compras
Entre as aquisições previstas estão 50 perfuratrizes para perfuração de poços em regiões afetadas pela seca, no valor de R$ 13,5 milhões. Para a Saúde, serão compradas 2.125 ambulâncias por preço estimado de R$ 326 milhões, e 1.000 furgões odontomóveis, por R$ 154 milhões. O programa também irá adquirir 160 vagões de trens urbanos, por R$ 721 milhões.
Já as polícias Federal e Rodoviária Federal poderão comprar 500 motocicletas por R$ 22 milhões. Para o setor de Defesa, estão previstos 40 Blindados Guaranis por R$ 342 milhões e 30 veículos lançadores de mísseis por R$ 246 milhões. Segundo Mantega, os equipamentos militares correspondem a 100% da produção do setor.
Para as escolas, serão adquiridos 8.570 ônibus por R$ 1,714 bilhão, equivalentes a 36% da capacidade produtiva do setor no País. Além disso, R$ 456 milhões serão destinados à compra de 3 milhões de peças de mobiliário escolar.
Incentivos
Ao anunciar o programa, Mantega, afirmou que as novas medidas fazem parte da estratégia do governo para estimular a economia, ampliar os investimentos e a demanda. Segundo ele, o objetivo também é aumentar a confiança na economia brasileira em um momento em que a confiança no mundo está bastante deprimida.
"A crise europeia continua piorando conforme todos têm observado. A crise deprime o crescimento da economia mundial, que estava em torno de 6% e agora será de cerca de 3% em 2012, portanto uma grande desaceleração", disse Mantega.
O ministro ressaltou ainda que o PAC Empreendimentos também fortalecerá parcerias com Estados e municípios. "Estas são medidas que vêm fortalecer a economia brasileira e nos ajudam a superar dificuldades criadas pela economia internacional. Neste momento, a economia brasileira já está crescendo de forma gradual", comentou.
Financiamento, Selic e dólar
O ministro da Fazenda salientou que a redução das taxas obtidas nos financiamentos, a queda da Selic e a desvalorização do real têm resultado importante sobre a economia. "Os custos em dólar estão caindo e a produção brasileira se torna mais barata e competitiva. Isso já está afetando as contas externas brasileiras e os produtos nacionais passam a custar menos no exterior", avaliou.
Para Mantega, a indústria, que tinha mais dificuldade para exportar, já poderá começar a se beneficiar do novo cenário. "Tanto a queda dos juros quanto a do câmbio vão continuar e isso vai provocar uma mudança importante na estrutura brasileira. Este é um processo que ainda não terminou, está apenas iniciando."
Outro dado apontado por Mantega é a queda da taxa de desemprego. "Estamos com o menor nível desde que a série histórica começou. Isso significa que a população tem cada vez mais empregos. A crise é conhecida pela população só pelos jornais. Na prática, não está se defrontando com essa crise, pois há emprego para toda a população", argumentou. O mercado de trabalho ainda vigoroso permite, na opinião do ministro, que a massa salarial continue crescendo.
ESTADÃO

Governo reduz juro de longo prazo para 5,5% ao ano

BRASÍLIA - Entre as medidas anunciadas nessa quarta-feira para estimunar a economia, o governo decidiu cortar a Taxa de Juro de Longo Prazo (TJLP) de 6% para 5,5% ao ano. Essa taxa é usada como referência na correção dos empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES). A manutenção da TJLP vinha gerando reclamações entre empresários. Para alguns executivos, uma redução do juro de longo prazo ajudaria empresas a tomarem novos empréstimos no BNDES.


Ao anunciar a decisão na manhã dessa quarta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ressaltou que a oferta de crédito está crescendo no País. Com base nos dados do relatório de operações de crédito, divulgado ontem pelo Banco Central, ele enfatizou que a expansão ocorreu "a taxas mais expressivas" de abril para maio, passando de 49% para 50,1% do PIB. "É um crescimento expressivo. O prazo do crédito está aumentando e, o mais importante, as taxas de juros cobradas estão caindo vertiginosamente", disse.
O ministro afirmou que já tinha em mãos os dados de crédito da primeira quinzena de junho e informou que a queda continua ocorrendo não só para pessoa física como para a jurídica. "Essas quedas têm efeito importante na economia, pois estimulam a produção e reduzem o interesse em aplicações financeiras e aumentam e aplicações produtivas", disse.
Surpresa
O redução da TJLP surpreende, pois há poucos dias a equipe econômica avaliava que não havia, neste momento, espaço fiscal para uma redução da TJLP, que está no seu menor patamar histórico. Uma queda na taxa significa um aumento nos repasses do Tesouro Nacional para subsidiar os juros praticados pelo banco de fomento.
A diminuição da TJLP vinha sendo defendida pelo BNDES para tentar destravar os investimentos do setor produtivo, mas o Ministério da Fazenda argumentava que há linhas subsidiadas que podem ser acessadas pelas empresas. Algumas linhas do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), por exemplo, têm taxa de juro real (descontada a inflação) negativa.
Além disso, há dentro da equipe econômica vozes que defendem um descolamento das taxas de longo prazo dos juros de curto prazo. Os técnicos também não enxergam a necessidade de a TJLP estar atrelada ao movimento de queda da Selic. Com a redução da taxa básica para 8,5% ao ano, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, foi estabelecida a menor diferença já registrada entre as duas variáveis.
Custo fiscal
O governo chegou a discutir a possibilidade de uma leve redução da TJLP, de 0,25 ponto porcentual, mas o movimento havia sido descartado. Um porcentual maior que este sequer foi cogitado pela equipe econômica, apesar da pressão de outros segmentos do governo.
Segundo fontes, uma redução da TJLP entre 0,5 e 1 ponto porcentual corresponde a custo fiscal de cerca de R$ 3 bilhões ao ano. Os defensores da medida alegam, porém, que a queda contínua da Selic, que analistas já situam entre 7% e 8% até o fim deste ano, minimizaria esse custo.
A TJLP que será fixada pelo CMN valerá para o terceiro trimestre deste ano. A taxa estava em 6% ao ano há três anos, desde julho de 2009. Seu cálculo leva em consideração a meta de inflação calculada para os 12 meses seguintes (pro rata) e o prêmio de risco do País. Antes de cair para 6%, a taxa ficou estacionada em 6,25% por oito trimestres.
ESTADÃO

Tuesday, June 26, 2012

Leão anuncia sua demissão do São Paulo

SÃO PAULO - Leão não é mais o técnico do São Paulo. Menos de um ano no comando do time tricolor, ele foi demitido na manhã desta terça-feira. O anúncio de sua saída foi feito pelo próprio treinador no CT do Barra Funda, em entrevista coletiva, repetindo o que fez em 2007, quando deixou o Corinthians. Leão foi anunciado no São Paulo, em 24 de outubro de 2011, no lugar de Adilson Batista.

"Foi uma conversa bastante rápida. O Juvenal me chamou em sua sala e me disse que eu não seria mais o técnico. Agradeci pelo tempo que fiquei e disse que estava tudo bem", contou Leão.
Leão chegou à equipe com a missão de classificar o São Paulo para a Copa Libertadores e fazer uma campanha boa na Copa Sul-Americana daquele ano, mas fracassou em ambas as tarefas. O auxiliar Milton Cruz assume mais uma vez interinamente o cargo até que o São Paulo encontre outro técnico.
Esta foi a segunda passagem de Leão pelo São Paulo. O treinador assumiu o comando da equipe em outubro de 2011 e somou 26 vitórias, 12 derrotas e seis empates nesse período, mas fracassou em todas as competições. No ano passado, não conseguiu classificar o time para a Libertadores no Campeonato Brasileiro e também não teve êxito na Copa Sul-Americana. 
Em 2012, mesmo após a reformulação do elenco, o desempenho não melhorou, apesar do São Paulo ter vencido 11 partidas consecutivas no começo da temporada. Leão teve divergências com a diretoria, que exigiu barrar o zagueiro Paulo Miranda. Além disso, o time caiu nas semifinais do Campeonato Paulista, ao ser batido pelo Santos, e da Copa do Brasil, na semana passada, quando foi eliminado pelo Coritiba.

A queda no torneio nacional deixou a situação de Leão praticamente insustentável. E a sua última partida foi no último sábado, quando o São Paulo perdeu para a Portuguesa por 1 a 0, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, sob protestos dos torcedores no Canindé. "Estou saindo bem sereno. Fui contratado para dois meses e fiquei oito", declarou Leão. 
ESTADÃO

O BIS adverte sobre o risco do crédito


Cinco anos depois do estouro da bolha financeira no mundo rico, chegou a hora de Brasil, China, Turquia, Indonésia e outros emergentes tomarem cuidado com a rápida expansão do crédito. O alerta foi lançado pelo BIS, o Banco de Compensações Internacionais, também conhecido como banco central dos bancos centrais, em seu recém-divulgado relatório anual. Não há alarmismo na advertência, mas é bom levar a sério o aviso. Na edição de junho de 1994, o relatório apontou a deterioração veloz das contas mexicanas. O país afundou seis meses depois, enquanto governantes, investidores financeiros e funcionários de agências de classificação de risco faziam cara de surpresa.
Mais conhecido por seu trabalho na área de regulação bancária, o BIS tem-se mantido, ano após ano, como um centro respeitado de análise de conjuntura e de tendências. O risco de uma bolha de crédito nos emergentes é apenas um dos motivos de preocupação apontados no documento. A descrição dos quadros da Europa e dos Estados Unidos continua muito sombria. Durante 20 anos, a partir de agora, os países desenvolvidos precisarão acumular superávits primários - isto é, sem contar a despesa dos juros - para levar a dívida pública aos níveis anteriores à crise.
A advertência sobre o perigo de uma bolha nos países emergentes é uma das novidades do relatório. Outros sinais de risco foram apontados em documentos anteriores. Agora, o foco é a expansão dos financiamentos. O crédito tem crescido muito mais que o Produto Interno Bruto (PIB) em vários emergentes e essa tendência se acentuou recentemente. A diferença entre o crescimento dos empréstimos e o da produção, o "gap do crédito", chegou a 13,5 pontos porcentuais nos últimos três anos no Brasil.
A valorização de alguns ativos - especialmente dos imóveis - é um dos sintomas do descompasso entre o aumento dos empréstimos e o aumento do PIB. Desde o começo da crise das hipotecas nos Estados Unidos, os preços dos imóveis aumentaram 113,4% no Rio de Janeiro e 86,3% em São Paulo.
Consultores brasileiros contestaram a avaliação dos economistas do BIS, negando o risco de uma bolha imobiliária no País. Segundo argumentam, há um enorme déficit habitacional e, portanto, uma demanda sem caráter especulativo. Além disso, o crédito imobiliário representa apenas 5% do PIB (81% nos Estados Unidos e 106% na Holanda) e há uma rígida vigilância sobre o sistema financeiro. Mas a rápida valorização dos imóveis em São Paulo e no Rio de Janeiro é incontestável e dificilmente se poderia classificá-la como normal. Além disso, a análise do BIS é mais ampla e refere-se à veloz expansão do conjunto dos empréstimos ao setor privado.
O aumento da inadimplência também já foi apontado por organizações brasileiras especializadas na avaliação das condições do crédito. Coincidentemente, mais um conjunto de informações foi divulgado ontem pela Fundação Getúlio Vargas. Na faixa de renda mensal de até R$ 2.100, 23,4% dos entrevistados declararam ter mais de 51% de seus ganhos comprometidos com pagamentos de gastos com cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas e outros tipos de financiamentos. Na faixa imediatamente superior, até R$ 4.800, o comprometimento de mais de 51% da renda mensal afeta 24,1% dos consumidores. O grupo menos endividado, com obrigações equivalentes a apenas 12,5% dos ganhos, é o das pessoas com renda acima de R$ 9.600.
No caso do Brasil, a advertência do BIS tem uma implicação clara: há limites um tanto estreitos para uma política de crescimento econômico baseada em grande parte na expansão do crédito e no estímulo ao mercado interno. O crédito ao setor privado ainda representa, no País, algo entre 45% e 50% do PIB. A proporção é bem maior em outras economias. Os técnicos do BIS e do Fundo Monetário Internacional sabem disso. O dado preocupante, segundo eles, é outro: é a velocidade do crescimento dos empréstimos. Além do mais, uma política de estímulo ao mercado interno dificilmente irá longe, se o governo descuidar das condições da oferta - fato comprovado pelos problemas da indústria brasileira diante da invasão dos importados.
ESTADÃO

Inadimplência está no maior patamar da série, com influência de veículos


BRASÍLIA - O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel, afirmou nesta terça-feira que a inadimplência total está no maior patamar da série, iniciada em junho de 2000, em 6%. Na pessoa física, os 8% de maio é o maior nível de atraso desde maio de 2009, quando estava em 8,5%. 


Ele disse ainda que a inadimplência se mantém em um patamar elevado, influenciado pelo crédito para pessoa física, particularmente no segmento de veículos, cujos atrasos refletem a expansão desse crédito no segundo semestre de 2010. 

"Tivemos naquele período uma expansão bastante pronunciada e que ainda repercute na carteira de crédito", afirmou Maciel em relação ao crédito para veículos.

Ele disse, no entanto que as "safras" desse crédito concedido em 2011 mostram qualidade melhor. "Os atrasos cresceram até julho de 2011 e, desde então, tem mostrado retração".

Maciel disse ainda que as novas medidas de estímulo ao crédito de veículos não representam perda de qualidade da carteira, pois houve "um processo de aprendizagem" ao longo desses dois anos. 

"Os bancos se tornaram mais seletivos. Espera-se crescimento, mas com garantia, qualidade e seletividade, de modo que não venha a se traduzir em aumento de inadimplência nos próximos meses".

Maciel afirmou também que o BC espera ver, já ao final deste ano, retração da inadimplência como um todo. "A expectativa é que haja acomodação e retração até o final do ano na pessoa física. Pessoa jurídica está mais estável. Pessoa física é que tem determinado o comportamento da taxa como um todo" .

Histórico


O governo tem agido para estimular a oferta de empréstimos e financiamentos como mecanismo para levar à uma recuperação econômica mais forte no país ao mesmo tempo em que garante que a inadimplência irá recuar ainda neste ano.

Para estimular o crédito, no final de maio, por exemplo, o governo reduziu Imposto sobre Operações de Financiamento (IOF) para operações voltadas a pessoas físicas, mas antes disso já havia colocado os bancos públicos para liderar movimento de redução das taxas de juros ao consumidor final.

Os bancos estavam receosos com os sinais claros de aumento de inadimplência, com destaque para a aquisição de veículos.

Para o governo, manter o mercado de crédito aquecido é importante para estimular a economia, via demanda interna, neste momento de crise internacional. O próprio BC tem ajudado, ao reduzir em 4 pontos percentuais a Selic, para a mínima recorde atual de 8,50 por cento ao ano, e deve continuar o movimento de queda.

O presidente do BC, Alexandre Tombini, tem dito que a redução da inadimplência vai ocorrer de maneira mais decisiva ao longo do segundo semestre, como resultado da maior qualidade de crédito oferecido a partir da segunda metade de 2011.

Além disso, Tombini prevê expansão do crédito ao longo dos próximos trimestres, em contexto de menores taxas de juros e spread bancário.


REUTERS/ESTADÃO