News by Twitter

Saturday, December 5, 2015

Dilma terá de reagrupar suas tropas para barrar impeachment

Igor Gielow
Folha


Abandonada pelo cálculo de sobrevivência política de seu criador, Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente Dilma Rousseff terá de fazer o que não conseguiu durante todo o ano para evitar que a Câmara dos Deputados aprove a abertura do pedido de seu impeachment: reagrupar e coordenar suas tropas.
A decisão do PT de desistir do plano de defesa de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética contrariou o Planalto – ainda que Dilma tenha, em público, negado a barganha. Na oposição e no PMDB, isso foi visto como uma senha para a aceleração dos eventos em Brasília.
Uma ala do governo e boa parte do PT defendiam esquecer Cunha e ir para o enfrentamento do impeachment. Nas contas do Planalto, capitaneadas por Jaques Wagner (Casa Civil), o risco era grande. A impressão foi reforçada pelos péssimos números da economia divulgados na terça (1º), unidos ao clima político após a prisão do líder de Dilma no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS).
O movimento fracassou, torpedeado pelo próprio PT, preocupado com o que ainda lhe sobra de imagem após anos de escândalos.
PARECE FÁCIL
A lógica petista não é, por óbvio, a da derrota. No papel, o Planalto teria uma tarefa fácil, já que são apenas 171 os votos dos quais precisa.
Desde a eleição de Cunha à chefia da Câmara, o governo sabe que só conta com uns 130 votos firmes. A margem algo superior a 200 apoios em votações recentes vinha assombrando o Planalto.
Em condições normais, o Planalto poderia cabalar facilmente os votos que lhe faltam. Talvez o consiga, a exemplo do que fez Fernando Henrique Cardoso em situação análoga em 1999, e reinicie sua gestão do zero.
A reação inicial do Planalto, com o inusual pronunciamento de Dilma, apontou para a desqualificação de Cunha devido ao caráter revanchista de sua decisão. Resta saber se funcionará, pois será o plenário que julgará Dilma, analisando ali mais do que a idoneidade de quem admitiu a votação.
RECURSO AO SUPREMO
Tentar judicializar o processo na saída, por sua vez, tem eficácia duvidosa.
O clima é francamente desfavorável a Dilma. Sua baixíssima popularidade, a paralisante crise econômica, a sombra da Lava Jato e a aproximação entre a oposição e o PMDB do vice Michel Temer pintam um quadro difícil, ainda que não irreversível.
Um impeachment pode até ter sido “precificado”, uma vez que o risco foi embutido quando o PT rifou Cunha, mas não é boa notícia para o presidenciável Lula.
Tribuna da Internet