News by Twitter - Share this blog on your social networks

Wednesday, March 16, 2016

Lula aceita ser "primeiro-ministro" e vai suspender o ajuste fiscal

Débora Álvares, Ranier Bragon, Gustavo Uribe e Valdo Cruz


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceitou nesta quarta-feira (16) o convite da presidente Dilma Rousseff e assumirá a Casa Civil. O acerto foi fechado em reunião no Palácio da Alvorada, que teve as presenças também dos ministros Nelson Barbosa (Fazenda) e Jaques Wagner, que deixará o comando da Casa Civil e será chefe de gabinete de Dilma. Com isso, o petista comandará o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, chamado de Conselhão.
Na tentativa de convencer Lula a assumir um ministério, a presidente Dilma Rousseff se reuniu na manhã desta quarta-feira (16) com o seu antecessor, em um esforço que é considerado a última cartada da petista para evitar a abertura do processo de impeachment.
Na noite da terça-feira (15), após mais de quatro horas de jantar, o petista havia pedido à presidente mais tempo para analisar o convite.
Para assumir um ministério, o petista impôs como condição autonomia na articulação política com a base aliada e mudanças na política econômica para garantir a retomada do crescimento.

MUDANÇAS NA ECONOMIA???

Esta última condição preocupa não só o mercado como interlocutores do ex-presidente no empresariado, pelo receio de demandar medidas como venda de reservas internacionais, queda forçada dos juros e liberação de mais crédito na economia.
Segundo petistas e integrantes do governo, sua nomeação poderá ser acompanhada da entrada de um time no governo Dilma.
Entre os nomes que Lula gostaria de levar para o governo está o de Celso Amorim para Relações Exteriores. Não está descartada a substituição de Aloizio Mercadante, na Educação. Outros nomes, como o de Ciro Gomes, são ventilados por petistas.
As mudanças na condução da política econômica podem provocar a saída do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.
Segundo a Folha apurou, Tombini tem dito a interlocutores que não ficará no comando do banco se o governo optar por uma guinada na política econômica, que passaria por uma redução forçada na taxa de juros e venda de parte das reservas internacionais.
Por outro lado, dentro do Palácio do Planalto há insatisfação em relação a Alexandre Tombini, que não estaria, na avaliação palaciana, adotando os remédios mais corretos neste momento para evitar uma recessão profunda no país.

E A LAVA JATO???

Uma guinada na condução política do país justificaria sua presença na Esplanada dos Ministérios e afastaria a tese de que só pretenda escapar da prisão. Investigado na Operação Lava Jato, Lula, sendo ministro, terá foro privilegiado e sua prisão teria que ser autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
É provável que os filhos do ex-presidente, que também são alvos do Ministério Público Federal, continuem com suas investigações a cargo da Justiça de primeira instância, a exemplo do que ficou decidido nesta terça sobre os casos da mulher e filha do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Réu na Lava Jato, Cunha tem foro privilegiado e é julgado no STF. As apurações sobre contas no exterior ligadas a jornalista Claudia Cruz e a Danielle Dytz da Cunha, mulher e filha do deputado, serão enviadas ao juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná.

###

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Com seus grandes conhecimentos de economia, que só podem ser comparados à sapiência da “doutorada” Dilma Rousseff, o torneiro mecânico Lula da Silva vai acabar de destruir este país. Ao invés de aprofundar o ajuste fiscal que ainda nem existe, ele vai aplicar em bobagens nossas reservas cambiais e colocar a economia na maior crise da História. Como vocês sabem, logo ele poderá dizer que nunca antes… Desta vez, não terá Henrique Meirelles a seu lado, para controlar as finanças e lhe dar credibilidade. Por coincidência, o primeiro-companheiro vai assumir a Casa Civil, que no governo do PT se tornou um valhacouto de pilantras. Assim, Lula enfim se junta a José Dirceu, Dilma Rousseff, Erenice Guerra, Antonio Palocci, Gleisi Hoffmann, Aloizio Mercadante e Jaques Wagner, uma turma de especialistas em corrupção que não tem igual no mundo civilizado. (C.N.)

Tribuna da Internet