DONATIONS luisinhofreitas@gmail.com

Thursday, April 7, 2016

Impacto profundo no desequilíbrio das contas públicas

Fernando Canzian
Folha


É uma agonia acompanhar a dificuldade que a esquerda, o PT e ainda muitos no Brasil têm em entender as consequências de gastar além das possibilidades. Em seu terceiro ano consecutivo de deficit e ameaçado de cair justamente pelas “pedaladas fiscais”, o governo Dilma segue forçando a barra para aumentar o já insuportável desequilíbrio nas contas públicas.
Quer isso: 1) via redução dos pagamentos de dívidas de Estados e municípios, ao custo de R$ 10 bilhões ao ano; 2) pelo abatimento em sua meta fiscal de quase R$ 100 bilhões para compensar quedas na receita e bancar investimentos; e 3) ao cobiçar que o Banco Central volte a emitir títulos, o que foi vetado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (em 2000).
Esta última medida substituiria o uso de títulos do Tesouro por papéis do próprio BC como lastro nas operações de política monetária.

SUMINDO A DÍVIDA…

Complicado? Um bom pedaço da dívida bruta contabilizada no Tesouro sumiria sem ter sido paga.
A trajetória da dívida pública é nosso grande problema de fundo. Ela indica se corremos o risco de quebrar, com consequências não excludentes: calote em quem tem dinheiro no banco, superinflação e uma crise que traria saudades de 2015.
Entre 2013 e 2014, a dívida bruta aumentou 2,2 pontos, chegando a 59% como proporção do PIB. Mas, no ritmo atual, terá dado um salto de 16 pontos no primeiro biênio de Dilma 2. Para o final de 2018, já há quem a projete em quase 85% do PIB.
O interessante (e educativo) é que a explosão de gastos e as “pedaladas” de Dilma para expandir programas sociais e estimular a economia tiveram o efeito inverso.

O PIOR VEM AÍ

É justamente o excesso do remédio que está matando o doente, fazendo do período atual o primeiro em um quarto de século em que desigualdade e renda pioram juntas no Brasil.
É como se mercado e os mais bem informados se encolhessem instintivamente pressentindo que, sem controle nos gastos, o pior está por vir.

(artigo enviado pelo comentarista Wilson Baptista Jr.)

Tribuna da Internet